in

Você já viu um chester vivo? Perdigão divulga primeira foto em décadas após polêmicas e teorias da conspiração

Com a ausência de informações sobre o alimento ao longo dos últimos 40 anos, muitas especulações foram fomentadas na mente do brasileiro.

Perdigão/Divulgação
Publicidade

Há anos circula no imaginário brasileiro diversas teorias da conspiração a respeito do Chester, da Perdigão. A ave é tradicionalmente comercializada nas comemorações  de fim de ano, e o mistério fomentado pela própria empresa abriu margem para que muitos boatos ganhassem impulsão viral, sobretudo em tempos de redes sociais.

O produto chegou ao Brasil há cerca de 40 anos, dando início para uma forte concorrência com o peru de Natal da Sadia por volta da década de 1980. Hoje, as duas empresas estão fundidas, resultando na BRF (Brasil Foods). A Perdigão nunca antes havia divulgado imagens do Chester vivo, alegando não possuir esse tipo de acervo. Como resultado, boatos indicando que o animal não tinha cabeça, ou que era forçado a se alimentar até não conseguir se locomover ganharam força.

Anos depois, a empresa enxergou a necessidade de trazer maior transparência para os seus consumidores, a fim de colocar um ponto final em todas essas histórias. Gerente executiva da marca, Luciana Bulau explica que as teorias são mera ficção, admitindo que a própria é empresa é responsável por esse imaginário que se formou.

Publicidade

“O Chester é um animal muito saudável. O diferencial dele é uma genética que foi aperfeiçoada e o cuidado que ele recebe nas granjas e na alimentação. No passado, a Perdigão alimentou essa aura de mistério, mas hoje a gente é muito transparente sobre nossas granjas e a forma como nossos animais são cuidados”, diz ela.

Cabe lembrar que o Chester não é uma espécie de ave, mas a marca do produto. Originária da Escócia, possuem uma linhagem nobre, cultivada há anos a fim de que tenha uma carne mais suculenta e tamanho consideravelmente maior ao de uma galinha normal.

A produção se inicia em março e se estende por todo o ano, com as vendas tendo início na época do Natal. Por ser uma carne nobre, o Chester demora mais tempo que um frango convencional. Para tanto, conta com uma dieta diferente, incluindo grande variedade de vitaminas e minerais. O foco da criação se encontra na cidade de Mineiros, em Goiás.

Henrique

Escrito por Henrique

Henrique Furtado é um redator com vasta experiência no jornalismo online. Solidificou sua carreira com coberturas marcantes sobre os principais acontecimentos no Brasil e no mundo ao longo da última década. Suas especialidades englobam desde os bastidores da política, versando por esportes, atualidades e, claro, tudo o que acontece no mundo dos famosos. Está sempre ligado para entregar, em primeira mão, as últimas novidades para os seus leitores, 24 horas por dia, 7 dias por semana, 365 dias por ano.

Contato: henriquefurtado.jornalista@gmail.com