in

Homem fica desolado ao perder mãe e esposa para a Covid-19: ‘é muito doloroso’

As duas chegaram a ficar internadas juntas; a esposa morreu sem conhecer a casa nova do casal.

Arquivo pessoal Alessandro Santos
Publicidade

Morador de Joinville, na região norte de Santa Catarina, Alessandro Santos está desolado. A Covid-19, doença causada pelo novo coronavírus, matou duas das pessoas mais importantes de sua vida: a esposa, Juliana de Jesus Campos, de 33 anos, e a mãe, Maria das Graças Antônio dos Santos, de 67.

Juliana foi a pessoa mais jovem a morrer de Covid-19 em Joinville. Ela estava internada havia alguns dias e passou o aniversário, em 18 de junho, na Unidade de Terapia Intensiva (UTI) do Hospital São José. A vendedora de bijuterias sofria de Lúpus. Em decorrência desta doença, ela tinha cansaço, dores no corpo, inchaço e problema no rim.

Juliana e Alessandro têm duas filhas, uma de 13 e outra de 14 anos. Eles estavam juntos havia 16 anos. O namoro foi iniciado na cidade de Itanhanhém, litoral sul de São Paulo. Eles se mudaram para Joinville em busca de uma vida melhor, em junho, há cinco e conseguiram comprar um imóvel geminado na planta que será entregue daqui a um ano.

Publicidade

Alessandro afirmou que a esposa era muito querida por todos e que havia grupos, em várias cidades, orando pela recuperação dela. A morte acontece cerca de 15 dias depois do falecimento de Maria das Graças, mãe de Alessandro. Ela morreu de Covid-19 no dia 5 de junho.

Publicidade
Publicidade

Maria das Graças viajou de São Paulo para fugir da cidade que é o epicentro da doença no Brasil. Em Joinville, porém, ficou mal e foi internada. Alessandro também apresentou os sintomas, foi internado, mas se recuperou. Dois dias depois de ele sair do hospital, Juliana apresentou os sintomas da Covid-19 e foi internada.

Juliana e Maria das Graças chegaram a ficar internadas juntas, enquanto as filhas de Alessandro e Juliana apresentavam os sintomas da Covid-19, mas puderem permanecer em casa. No dia 5 de junho, Maria das Graças morreu. Quinze dias depois, foi a vez de Juliana. Alessandro desabafou.

“Infelizmente nossa família foi mais uma vítima da Covid-19. Minha mãe e minha esposa ficaram internadas e acabaram não resistindo. As duas vieram a óbito, primeiro minha mãe e depois minha esposa, em 15 dias”, afirmou. “É muito doloroso”, completou Alessandro.

Ele ainda contou que falou com a esposa pela última vez por videoconferência, antes de ela ser entubada com urgência pelos médicos. Em relação a mãe, não pôde vê-la no caixão lacrado. e lamenta muito por isso. Toda vítima de Covid-19 é enterrada em caixão fechado.

Publicidade

Inscreva-se em nosso canal no YouTube e fique por dentro de tudo o que acontece. CLIQUE AQUI

Publicidade
Diogo Marcondes

Escrito por Diogo Marcondes

Jornalista formado desde 2015. Jornalista por vocação desde que nasceu. Redator da i7 Network desde 2015.
Fale comigo: diogojornalismo@yahoo.com.br