in

Caso Rafael: delegado conta como mãe teria estrangulado o próprio filho com corda, e não poupa detalhes

De acordo com o Delegado Ercílio Carletti, responsável pelo caso, desde o primeiro dia a polícia tem essa posição.

Globo / Montagem
Publicidade

Um dos crimes que mais chocou o país recentemente foi a morte do menino Rafael. Nesse final de semana, houve a reconstituição do caso e, após mais de 30 dias da morte do menino, novos detalhes são dados diante do caso. Alexandra Dougokenski, de 33 anos, mãe de Rafael, confessou ter matado o próprio filho, mas diz que tudo foi sem querer. 

Ela conta que teria usado remédio de ansiedade demais com o garoto. No entanto, para a Polícia Civil da cidade de Planalto, no estado do Rio Grande no Sul, Alexandra Dougokenski teria matado a criança estrangulada. Inicialmente, a mãe de Rafael diz que usou uma corda para conseguir transportar o corpo do menino. 

No entanto, para o delegado do caso, Elbert Moreira Neto, ficará provado que a corda, na verdade, não foi usada apenas para transportar o corpo do menino para a casa vizinha, como também para matar a criança. 

Publicidade


“Ela diz que usou a corda para auxiliar na ocultação. Mas se ela podia carregar o corpo, por que usou a corda para puxar?”
, disse o delegado ao falar sobre o assunto, que deu o que falar. 

Publicidade
Publicidade


“Solicitei a prisão dela, porque na hora que localizamos o corpo, percebi que se tratava de estrangulamento. Não seria plausível arrastar e ficar aquela marca no pescoço do menino”,
diz o delegado, que quer terminar o inquérito acusando Alexandra Dougokenski de homicídio culposo, quando há a intenção de matar. A defesa da mãe de Rafael tenta que ela seja indiciada por homicídio culposo, quando não há a intenção de matar. Nesse caso, a pena dela seria menor. 

Publicidade

Inscreva-se em nosso canal no YouTube e fique por dentro de tudo o que acontece. CLIQUE AQUI

Publicidade
FERNANDO B

Escrito por FERNANDO B

As melhores notícias você encontra por aqui. Conheça essas e outras histórias.