in

Homem morre por Covid-19, e hospital cobra R$ 170 mil da família: ‘achamos que ia dar pra pagar’

Com receio de perder tempo na fila de espera da rede pública, procurou atendimento em um hospital privado,porém não saiu mais.

Marie Claire
Publicidade

Fábio Cardoso Tomé dos Santos, de 38 anos, não podia imaginar que ao dar entrada no hospital para checar a saúde, não sairia mais de lá. Com dificuldade para respirar, sintoma característico da Covid-19, o comerciante achou melhor procurar o médico para saber o que estava acontecendo.

Receoso de perder tempo esperando em um hospital público, ele procurou uma unidade do setor privado, o Santa Cruz, que fica localizado no centro de São Paulo. O comerciante não tinha plano de saúde, porém conforme a família informou, ele acreditava que a consulta no local seria resolvida de forma simples.

Publicidade

Contudo, ele entrou e não sai mais do hospital. Ficou internado por sete dias na UTI – Unidade de Terapia Intensiva e foi a óbito em virtude de complicações da Covid-19. Além de precisar lidar com a perda inesperada de um ente querido, sem poder ao menos se despedir direito, os familiares de Santos precisam lidar com uma difícil realidade, a conta do hospital no valor de quase 170 mil reais.

Publicidade
Publicidade

Uma das irmãs do comerciante, Márcia Cardoso, de 31 anos desabafou: “A gente sabia que estava tudo lotado (na rede pública). Procuramos um hospital particular, mas nunca cogitamos UTI. Pensava que seria coisa de dois dias lá. Ele era jovem e saudável. Mas não foi assim”.

Foi Santos que tomou a frente dos negócios da família quando a pandemia chegou a São Paulo. Ele ficou tomando conta da vidraçaria que foi fundada pelos pais. Preocupado com os pais, ele era a única pessoa que ia ao local, assumindo todas as tarefas, inclusive, as compras de supermercado.

O primeiro sintoma que apareceu foi a tosse seca, explicou a irmã, que ficou surpresa com a evolução rápida da doença. O hospital consultou os familiares quando a situação ficou grave e perguntou se os parentes queriam fazer uma transferência para o hospital público. Temerosos, eles permitiram que o homem ficasse lá. O Hospital Santa Cruz disse que está aberto a negociar a conta da unidade com os responsáveis legais do comerciante.

Publicidade

Inscreva-se em nosso canal no YouTube e fique por dentro de tudo o que acontece. CLIQUE AQUI

Publicidade