in

Reviravolta: testemunhas contradizem policiais no caso João Pedro, e detalhes são fortes

Os relatos dos policiais são completamente diferentes. Nenhum dos três afirma ter visto ou ouvido os adolescentes.

Extra
Publicidade

Um dos casos que mais repercutiram no país, recentemente, foi a morte do menino João Pedro. Ele tinha apenas 14 anos quando foi morto em uma operação policial no Rio de Janeiro. O caso aconteceu na comunidade do Salgueiro, no município de São Gonçalo. Neste sábado, 13 de junho, mais uma reviravolta diante do caso ocorreu. O site do jornal carioca Extra deu detalhes fortes das testemunhas do caso João Pedro.

Essas testemunhas contradizem os depoimentos oficiais dos policiais e podem complicar as vidas dos agentes da lei. Os agentes, que são acusados de matarem o adolescente, dizem que não sabiam que tinham menores de idade dentro da casa. No entanto, testemunhas dizem que eles sabiam sim da existência de crianças no local e que pessoas teriam até gritado para eles não atirarem.

Uma das testemunhas, por exemplo, contou que os menores estavam na sala, quando a polícia entrou pelo portal da sala. Antes, os adolescentes estavam no quintal, mas como ouviram barulhos de tiros no quintal, decidiram se abrigarem dentro da casa. Foi ali que a morte de João Pedro acabou acontecendo. 

Publicidade

Ainda no portão, os policiais já seriam capazes de verem os menores. O tiro que teria matado o menino João Pedro teria sido dado apenas depois de que os agentes já sabiam que a casa tinha pessoas. Nenhuma das testemunhas, no entanto, fala que existiam traficantes no local ou na comunidade na data dos tiros que mataram João Pedro. 

Publicidade
Publicidade

O caso João Pedro continua sendo investigado. Agora com o conflito dos depoimentos das testemunhas com os dos policiais, a situação dos agentes pode piorar.

Publicidade

Inscreva-se em nosso canal no YouTube e fique por dentro de tudo o que acontece. CLIQUE AQUI

Publicidade
FERNANDO B

Escrito por FERNANDO B

As melhores notícias você encontra por aqui. Conheça essas e outras histórias.