in

Miguel pode ter sido jogado de alto de prédio e mãe se pergunta: ‘Quem poderia estar ali?’

A principal hipótese para a morte é uma queda acidental, mas nada está descartado.

Época
Publicidade

Um dos casos de maior repercussão nos últimos tempos foi a morte do menino Miguel. Ele morreu após cair do nono andar de um prédio de luxo, na grande Recife, no estado de Pernambuco. No entanto, uma nova tese para a morte da criança acabou sendo revelada nesta terça-feira, 12 de junho. O menino pode ter sido jogado do alto do prédio.

A tese foi revelada pela mãe da criança, Dona Mirtes, que não acredita que Miguel, de apenas cinco anos, teria feito tudo sozinho. O menino, além de pegar o elevador, acabou indo para uma região de difícil acesso do prédio, antes de lá despencar de uma altura de 35 metros. O garoto chegou a ser socorrido pela mãe e pela patroa dela, Dona Sarí Sorte.

Infelizmente, ele veio morrer meia hora depois. A mureta escalada por Miguel tem 1,2 metro de altura. Ela é cinco centímetros mais alta que a própria criança, o que levaria a performance ser difícil para ser alcançada por uma criança. Além disso, para cair do prédio, o menino ainda deveria escalar uma haste de 1,3 metros de alumínio.

Publicidade

“A princípio, ele tentou escalar e caiu lá de cima de forma acidental. Mas as investigações não estão conclusas. Falta comprovar se é possível ele ter caído sozinho”, revelou André Amaral, perito criminal.

Publicidade
Publicidade

A mãe da criança, Dona Mirtes, falou sobre essa possibilidade. “Agora, mais calma, olhei atentamente as imagens feitas pela câmera do elevador. O meu filho desce no nono andar, abre aquela porta de incêndio e passa por ela como se tivesse encontrado alguém do outro lado. Quem poderia estar ali? Só a polícia poderá descobrir”, contou a mãe de Miguel.

Publicidade

Inscreva-se em nosso canal no YouTube e fique por dentro de tudo o que acontece. CLIQUE AQUI

Publicidade
FERNANDO B

Escrito por FERNANDO B

As melhores notícias você encontra por aqui. Conheça essas e outras histórias.