in

Família sobrevive a grave acidente de ônibus, mas o que acontece depois é de arrepiar

Júlia, o marido e a filha sobreviveram após ônibus tombar na pista; dez pessoas morreram.

Arquivo Pessoal Júlia / TV Vanguarda
Publicidade

Júlia de Oliveira, de 27 anos, viajou para Campos do Jordão, no ano passado, ao lado do marido e da filha. A viagem para a cidade do interior de São Paulo era tradição na família. Em junho do ano passado, a família saiu de Cubatão, litoral sul do estado, para Campos do Jordão. O objetivo era comemorar o Dia dos Namorados de forma antecipada.

Na ida, deu tudo certo. A viagem foi tranquila. Em Campos do Jordão, curtiram a cidade. A volta para casa, porém, não terminou do que jeito que eles queriam. O ônibus que os trazia perdeu o controle na rodovia Floriano Rodrigues Pinheiro, fez uma curva em alta velocidade, tombou e atingiu cinco veículos na pista contrária.

O resultado do acidente foi trágico: dez pessoas mortas (o motorista do ônibus, Ivan da Silva, sete passageiros e duas pessoas que estavam nos carros) e mais de 50 feridas. Entre os turistas, 48 eram moradores do litoral.
Em entrevista ao G1, Júlia classificou o episódio como um milagre por não ter ficado paraplégica.

Publicidade

Segundo ela, nem os médicos acreditavam que ela tivesse movimentos nas mãos e nos pés. A mulher começou a fazer fisioterapia, mas interrompeu devido a pandemia do novo coronavírus.  Apesar da alegria e gratidão por estar viva, Júlia também contou os pesadelos de arrepiar que já teve desde então.

Publicidade
Publicidade

Ela afirmou que sonhava que estava dentro do ônibus e ouvia muitas pessoas pedindo ajuda. Ela ouvia, mas não conseguia se virar para ajudar. “E tinha uma menininha que estava do meu lado, com a mãe dela. As duas morreram no acidente. Sonhava que essa menininha estava me chamando e eu tentava tirá-la de lá também”, recordou, classificando o pesadelo como angustiante.

Publicidade

Inscreva-se em nosso canal no YouTube e fique por dentro de tudo o que acontece. CLIQUE AQUI

Publicidade
Diogo Marcondes

Escrito por Diogo Marcondes

Jornalista formado desde 2015. Jornalista por vocação desde que nasceu. Redator da i7 Network desde 2015.
Fale comigo: diogojornalismo@yahoo.com.br