in

Revoltada, médica pede demissão após um plantão e expõe tudo: ‘aquilo é um CTI de fachada’

Médica anestesista faz grave denuncia sobre falta de medicamentos e exames para os pacientes.

Divulgação/G1
Publicidade

Uma médica pediu demissão do Hospital de Campanha do Maracanã. O motivo da saída foi a falta de estrutura que a profissional encontrou no local. Foi o primeiro e único dia de trabalho da médica anestesista Priscila Eisembert. Ela denunciou as dificuldades encontradas para trabalhar no local.

Ela revelou que faltam exames e medicamentos para os pacientes. “Tem muito profissional querendo trabalhar (…) mas infelizmente não dá pra ter estômago pra ver essa atrocidade. O médico, infelizmente, não faz milagre. Ele precisa ter o mínimo pra trabalhar. Aquilo é um CTI de fachada. Não tem nem o mínimo de um CTI”, disse a médica.

Nesta última sexta-feira, 22 de maio, a unidade ganhou mais uma ala em meio as denúncias feitas pela falta de medicação. A doutora disse que a medida que as intercorrências aconteciam, ela examinava os pacientes e cada medicação que precisava fazer descobria simplesmente que não tinha.

Publicidade

Priscila contou que teve problemas com todos os pacientes que prestou atendimento. Inclusive, uma das pessoas que atendeu tinha Covid-19 com arritmia cardíaca importante. Ela precisava tentar baixar a frequência, mas não tinha o remédio necessário para o procedimento. A profissional fez questão de frisar que sedativos são fundamentais para quem recebe o tratamento. Contudo, parece que não foi prioridade para o governo.

Publicidade
Publicidade

A médica ressaltou que para acoplar o paciente à ventilação mecânica é importante que estejam bem sedados para o procedimento. Ela ainda revelou que durante o plantão viu duas pessoas morrerem vítimas do novo coronavírus. Para a profissional, a falta de medicação básica pode ter custado a vida dos pacientes.

Priscila relatou que precisou mudar o tubo de um paciente que estava furado e para realizar a manobra é essencial o uso de relaxante muscular, medicamento que não tinha disponível no hospital de campanha. “A sociedade de anestésio, a sociedade de medicina, deixam claríssimo que a gente tem que entubar o paciente com relaxamento muscular (…). Eu demorei um pouco mais porque tava muito difícil a entubação dele e ele acabou parando. Veio a óbito”, contou a profissional.

A anestesista trabalha no SUS – Sistema Único de Saúde há 10 anos. Ela disse que esta acostumada a lidar com situações difíceis e estruturas precárias, mas o cenário que encontrou foi algo ainda pior.

Publicidade

Inscreva-se em nosso canal no YouTube e fique por dentro de tudo o que acontece. CLIQUE AQUI

Publicidade