Jair Bolsonaro usa palavrões para descrever Witzel e Dória durante reunião ministerial

Leia também

Jair Bolsonaro usa palavrões para descrever Witzel e Dória durante reunião ministerial

O presidente da República demonstrou irritação com relação a boa parte dos governadores do país.

O homem por trás do Louro José é tão lindo que, para muitos, é o mais belo do Brasil

Conheça um pouco mais sobre Tom Veiga, o manipulador do Louro, um dos personagens mais conhecidos da TV.

10 coisas que são muito comuns e aumentam os riscos de câncer

Alguns hábitos podem ser extremamente prejudiciais à saúde e provocar doenças como câncer.

Renato Portaluppi recebe uma ótima notícia no Grêmio

Jogador que se machucou passou por cirurgia e deve voltar em um mês aos treinamentos.
Henrique
Henrique Furtado é um redator que gosta de ocupar o seu tempo livre lendo notícias, e noticiando aquilo que acha mais interessante.
Publicidade

Em um dos trechos da reunião ministerial do último dia 22 de abril, cuja liberação foi autorizada pelo ministro do STF (Supremo Tribunal Federal), Celso de Mello, o presidente da República, Jair Bolsonaro (sem partido), chama o governador do Rio de Janeiro, Wilson Witzel (PSL) de “estrume”, e o governador de São Paulo, João Dória (PSDB), de “bosta”.

O presidente usou um tom de muita ira em seu discurso, com uma sequência de palavrões. Ao leitor, cabe o aviso de que os trechos replicados a seguir não puderam ser descritos na íntegra. “Vai pra p. que o pariu, p., eu que escalei o time, p. . Nós temos que, na linha do Weintraub, de forma mais educada possível, é se preocupar com isso. O que esses caras querem é a nossa hemorróida”, disparou ele, antes de xingar os governadores.

Publicidade
Publicidade

Jair Bolsonaro falou logo após Weintraub. O atual ministro da Educação disse que, por ele, todos os “vagabundos” seriam postos na cadeia, a começar pelos ministros do STF. Disparou ainda críticas contra as medidas voltadas para a proteção de etnias, dizendo não suportar o termo “povos indígenas”, por reconhecer todos os cidadãos residentes no país como povo brasileiro.

Publicidade

O diálogo liberado por Celso de Mello faz parte das acusações do ex-ministro da Justiça e Segurança Pública, Sérgio Moro, de que Jair Bolsonaro teria agido de maneira a tentar interferir nos trabalhos da Polícia Federal na mesma reunião ministerial.

Publicidade

O conteúdo não foi divulgado na íntegra, tendo algumas partes cortadas pelo decano do Supremo Tribunal Federal sob seus critérios técnicos.