Coronavírus: Governo Bolsonaro anuncia liberação de remédio para tratar casos graves

Leia também

Prefeito tenta acalmar a população sobre coronavírus: ‘Todos nós seremos contaminados’

Prefeito do município de Limeira tenta acalmar a população pela pandemia do coronavírus.

O que o segurança de Bolsonaro fez com a equipe da Globo é surpreendente

Profissional surpreendeu apoiadores de Bolsonaro e solicitou respeito aos jornalistas que ali trabalhavam.

Kelly Key deixa filha cortar seu cabelo em live e surta com resultado

Através de uma live Kelly Key e sua filha fizeram alguns procedimentos de beleza.

Grêmio pensa em fórmula ‘Paulo Nunes’ para reforçar equipe em meio à crise

Efeitos da crise causada pela pandemia do novo coronavírus devem afetar negócios do futebol.
Bruno Avila
Redator de futebol e política desde 2016. Hoje um dos profissionais mais lidos da 1News.
Publicidade

O presidente do Estados Unidos da América, Donald Trump, havia anunciado em um pronunciamento que havia chances do medicamento composto por hidroxicloroquina ou cloroquina tratar a doença Covid-19, causada pelo novo coronavírus.

Posteriormente o presidente do Brasil, Jair Messias Bolsonaro, anunciou a aceleração de pesquisas entorno do medicamento. Hoje, o Ministério da Saúde anunciou a liberação do medicamento de cloroquina para casos graves da Covid-19.

Publicidade

O ministro da Saúde, Luiz Henrique Mandetta, decidiu alertar que a droga traz riscos de efeitos colaterais graves. O imunomodulador é receitado para doenças como malária e lúpus.

Já havia sido decretado pela Anvisa que o medicamento não seja liberado pelas farmácias sem prescrição médica. Isso porque há pacientes com outras doenças que precisam do remédio e, após o anúncio do Trump, houve uma grande procura do medicamento. As farmácias não conseguiram repor seus estoques.

Publicidade

Não há quaisquer indicações para que o medicamento seja utilizado em casos leves da Covid-19. O mais recomendado é para que os pacientes leves da doença fiquem em casa, na recomendada quarentena, e não transmita o vírus.

O secretário da Ciência Tecnologia e Insumos Estratégicos da pasta do Ministério da Saúde, Denizar Vianna, afirmou que o medicamento pode ser utilizado por cinco dias como suporte para pacientes. Segundo ele, se trata de um “medicamento muito promissor, que o Brasil conhece muito“.

Os casos graves da doença Covid-19 representam 14% dos pacientes. Estes geralmente precisam ficar em aparelhos respiratórios, até que o vírus saía do corpo. Até então, não havia nenhum medicamento recomendado para tratar a doença.

Publicidade