Mulher se torna a primeira pessoa a ser vacinada contra o coronavírus

Leia também

Fim do confinamento em Wuhan, primeiro epicentro do novo coronavírus

Moradores poderão sair da cidade, mas precisam levar um smartphone com um aplicativo que tem informações sobre a saúde deles.

Aos 8 anos, Davi Lucca, filho de Neymar tem doença séria revelada

Carol Dantas, ex de Neymar, revelou como tem sido a mudança na rotina de Davi Lucca.

Vidente Carlinhos revela a verdadeira razão de possível queda de Bolsonaro na presidência

Em novo vídeo, o vidente Carlinhos comenta sobre a queda de Jair Bolsonaro na presidência.

Esta foto parece normal, mas quando você notar o erro vai ficar arrepiado

A divulgação da fotografia rapidamente se tornou um desafio nas redes sociais.
Publicidade

O coronavírus continua assustando a população no mundo inteiro. Desde que foi anunciado pelas mídias, o número de casos ativos tem aumentado com frequência, causando pânico no Brasil e em outros países.

Atualmente, o número de casos registrados alcançou 194.217. Além disso, os registros informam a morte de 7.864 pessoas no mundo inteiro. O coronavírus chegou a países como Brasil, Japão, Malásia e Itália, sendo este último o epicentro da pandemia.

Publicidade

Em meio a todo o caos provocado pela doença, o que as pessoas desejam agora é que os cientistas encontrem a cura. Felizmente, o Instituto de Pesquisa Washington Kaiser Permanente, que fica localizado em Seattle, nos Estados Unidos, acaba de fazer o primeiro teste em humanos da vacina que pode ser a resolução para a pandemia.

Publicidade

O instituto, que desenvolveu a vacina em tempo recorde, tentou sua primeira vacina em uma mulher chamada Jennifer Haller, que tem 43 anos. A americana pertence ao grupo das 45 pessoas que irão ser voluntárias.

Publicidade

O teste servirá para assegurar se as vacinas são realmente seguras para a saúde e se de fato irão fazer o efeito esperado. A substância, foi desenvolvida pela empresa de biotecnologia NIH e Massachusetts Moderna Inc e é chamada de mRNA-1273.

Nos próximos dias, o instituto irá fazer uma nova análise nos voluntários para saber o resultado. Os voluntários foram pessoas com idade entre 18 e 55 anos e os cientistas devem observá-los frequentemente para detectar se há efeitos colaterais na vacina, que não tem data marcada para ir ao mercado, caso seja considerada eficaz.