in

Caso Raíssa: garoto que matou e abusou da menina será reeducado e em 3 anos estará liberto

G1
Publicidade

A Justiça deu a sentença final do Caso Raíssa, que ficou tão famoso após espantar todo o país, devido à sua barbaridade. Um garoto de apenas 12 anos, cujo nome não foi divulgado, foi acusado de matar sua vizinha, que era autista, e tinha apenas 9 anos.

Publicidade

Raíssa era muito amiga do garoto e confiou nele ao se distanciar de sua mãe no Parque Anhanguera, onde ele cometeu o tão terrível crime. Um laudo recente apontou que Raíssa também foi abusada antes de morrer.

Publicidade

A todo momento, o garoto, mesmo confessando o crime, afirmava que não tinha abusado da garota. Em alguns depoimentos, o jovem citou um homem de bicicleta, mas logo desmentiu dizendo que agiu sozinho.

A Polícia Civil da cidade de São Paulo investigou o caso e concluiu que o jovem atuou sozinho na cena do crime. No entanto, sua pena será de um projeto de reeducação na Fundação Casa, para assim ser colocado em sociedade novamente.

Publicidade

A pena máxima para o garoto é de três anos, conforme propõe o ECA (Estatuto da Criança e do Adolescente). O crime bárbaro ocorreu em uma tarde de domingo, no dia 29 de setembro.

Após a jovem Raíssa desaparecer, o garoto foi até alguns inspetores do parque e comunicou que viu uma menina pendurada em uma árvore. A jovem autista morreu por asfixia mecânica, conforme apurou a perícia.

A mãe da garota deu entrevistas em que se demonstrava muito abalada, viralizando na época. Relatos de alunos da mesma escola do garoto assassino mostraram que ele era conturbado e tinha um comportamento agressivo, tanto com colegas de classe quanto com professores.

Publicidade

Leia Também

Escrito por Bruno Avila

Escritor de futebol e política desde 2016, quando comecei o trabalho na Blasting News. Hoje migrei ao 1News e sou um dos escritores mais lidos do site.

Lembra dela? Fotos da garota do protesto pela Amazônia chamam atenção na web

Global se envolve após confusão com socos onde carro passou por cima de mulher; está na cadeira de rodas