Google define palavra ‘professora’ com conotação sexual e causa revolta

Leia também

Macacos atacam profissional de saúde e ‘roubam’ amostras de sangue infectadas com Covid-19

Um grupo de macacos atacou um campus univesitário e pegou amostras de sangue de pacientes.

Cantor e compositor brasileiro morre por coronavírus e causa comoção: ‘Meus sentimentos’

O artista deixa um legado de muito sucesso, principalmente do estado do Ceará.

Lembra do Compadre Washington? Após anos difíceis, ele prova que a vida dá voltas

O 'eterno' vocalista da era de ouro do grupo É O Tchan passou por muitos apertos nestes últimos anos.

Andressa Suita abre o coração e fala sobre tratamento para ter uma menina: ‘para garantir’

A esposa do sertanejo Gusttavo Lima abriu o coração e falou sobre maternidade e o desejo de aumentar a família.
Diogo Marcondes
Jornalista formado desde 2015. Jornalista por vocação desde que nasceu. Redator do i7 Network.
Publicidade

Quem nunca procurou a definição de uma palavra e jogou no Google para saber o que ela significa? Praticamente todo mundo já fez isso. Nos últimos dias, a busca pela definição da palavra professora causou polêmica.

Quem digita no Google a palavra professora encontra duas definições. A primeira é diz que professora é a “mulher que ensina ou exerce o professorado”. Até aí, nenhum problema.

Publicidade
Publicidade

O que causou polêmica é o que vem depois disso. A segunda definição traz o que o site chama de “brasileirismo” e a definição é nada ortodoxa. “prostituta com quem adolescentes iniciam a vida sexual”, diz o texto.

Publicidade

A informação causou revolta e professores e alunos do curso de Direito da Pontifícia Universidade Católica de Goiás (PUC Goiás) entraram com ação contra o Google.

Publicidade

O processo foi protocolado na terça-feira (22) e obriga o Google a retirar do site a definição do termo professora como está lá. Ao jornal Extra, do Rio de Janeiro, estudantes afirmaram que o termo postado pelo Google é ofensivo.

“Ofende a honra profissional das mulheres que exercem o cargo de magistério no Brasil”, afirmaram os estudantes ao Extra. O Google emitiu nota se defendendo.

Segundo o site, não é possível mantar um controle editorial sobre as definições que aparecem nas buscas. O Google diz ainda que licencia conteúdos de dicionários parceiros para exibi-los diretamente na busca.

“Os resultados incluem usos coloquiais que podem causar surpresa, mas não temos controle editorial sobre as definições fornecidas por nossos parceiros que são os especialistas em linguagem”, diz a nota divulgada pelo Google. A empresa disse ainda que entraria em contato com os responsáveis pelo conteúdo.