Pais lutam há mais de 30 dias para registrar criança; cartório recusou o nome escolhido

Leia também

Mel Maia é criticada por vídeo ousado e dá resposta avassaladora

Mel Maia rebateu um seguidor em seu perfil no Twitter, que fez uma comparação com MC Melody.

Menina suja de sangue bate na porta de desconhecido e revela: ‘meus pais estão mortos’

A criança precisou passar por grandes barreiras até conseguir a ajuda que precisava.

O emocionante aniversário de uma criança com asma em meio à pandemia

Os pais da garota decidiram inovar e fizeram a festa com convidados, mas o mantiveram à distância.

Lembra dessa atriz de Fina Estampa? Quase 10 anos depois, ela está ainda mais linda

No ar em 'Totalmente demais' e 'Fina estampa', Adriana Birolli passa quarentena ao lado do namorado.
Tatiane Braz
Estudante, escritora e apaixonada pela verdade, tenho como meta levar a notícia de forma clara e real. Amo ler e percebo a cada dia que um mundo melhor se faz quando o conhecimento que adquirimos é colocado em prática.
Publicidade

 O nascimento de uma criança geralmente vem acompanhado de muito amor e carinho. Durante a gestação, os pais da criança preparam o quartinho, montam o enxoval, escolhem o nome e esperam ansiosos para saber o sexo do bebê.

É o que acontece na maioria das famílias, e não foi diferente com o casal Robson da Silva Brito e Michele Marcolino da Silva.

Publicidade

Cartório proibiu o registro

A filha do casal nasceu no dia 19 de setembro de 2019 e até agora com um mês e vinte dias não conseguiu ser registrada em cartório. Assim que o bebê nasceu, Robson correu para o cartório para registrar a menina e assim dar a ela um nome e uma identidade, mas o cartório não aceitou o registro alegando que o nome escolhido era impróprio.

Publicidade

Enberly Emanuelly Silva Brito foi o nome escolhido pelos pais da menina antes de seu nascimento, mas o mesmo não foi aceito pelo cartório de Patos de Minas, cidade de Minas Gerais.  

Publicidade

Os pais da menina alegam que o não registro da menina tem impedido ela de receber atendimento médico e tomar as vacinas necessárias a todos os bebês de sua idade. Por não ter uma certidão de nascimento, a menina está na condição de indigente e não possui identidade. “Queremos que ela se torne uma cidadã. Por enquanto, ela está sendo uma indigente”, disse o pai em desespero.

Pais querem ter o direito de registrar a filha com o nome que escolheram

De acordo com o que Robson disse, o cartório alegou que o nome Enberly é de origem europeia e é pouco usado aqui. Eles afirmaram que não registrariam a menina com esse nome para que ela não viesse a sofrer bullying no futuro.

Os pais da menina não querem trocar o nome, pois foi o que eles escolheram juntos e exigem o direito de poder nomear a criança como querem.

O caso foi encaminhado para a justiça pelo cartório e somente após a decisão do juiz se saberá que a menina se chamará mesmo Enberly.