Dilma diz que morte de Ágatha tem ligação direta com política de Moro

Leia também

Luto na música: morre mais um artista por causa do coronavírus

Através das redes sociais, o filho do músico escreveu uma mensagem de despedida.

Vídeos do Equador mostram caos em meio ao coronavírus

Nas redes sociais, pessoas divulgam vídeos feitos em casa pedindo ajuda internacional.

Luto: coronavírus mata grande cantor; ele partiu muito jovem

Músico também ficou conhecido como autor da canção 'That thing you do!'; morte comoveu o mundo.

Lilia Cabral posta foto rara da filha e internautas se surpreendem: ‘achei que era você’

Artista usou as redes sociais para dividir com fãs uma foto da filha Giullia, atriz da Globo.
Bruno Avila
Redator de futebol e política desde 2016. Hoje um dos profissionais mais lidos da 1News.
Publicidade

A ex-presidente Dilma Rousseff resolveu se pronunciar sobre a morte de Ágatha. A jovem menina tinha apenas 8 anos e acabou morta por ser baleada em um confronto entre a polícia e traficantes em uma comunidade do Rio de Janeiro.

Dilma afirmou que a morte da menina tem relação direta com propostas do ministro da Justiça, Sérgio Moro. Segundo a ex-presidente, o fato de policiais terem, supostamente, acertado Ághata tem ligação direta com regulamentos de propostos no pacote anti-crime.

Publicidade

Absolvição de policiais

Segundo Dilma, o pacote de Sérgio Moro ajuda a absolver policiais infratores, com isso ele teria relação no assassinato de Ágatha Félix. A ex-presidente criticou a violência policial, que, segundo ela, acaba gerando violência contra os próprios.

A violência fardada cresce com a impunidade oferecida pelo presidente que quer anistiar policiais assassinos, pelo ministro que quer absolvê-los e pelo governador que manda atirar ‘na cabecinha‘”, disse Dilma Rousseff, após citar que a violência no Rio de Janeiro tem aval do atual presidente da República, Jair Messias Bolsonaro.

Publicidade

Família da Ághata

Muito abalada, a família da menina recebeu uma proposta de ajuda do governo do Rio de Janeiro, para assim diminuir os danos causados pela morte da garota.

Entretanto, a família da jovem não aceitou e vem dando entrevistas em programas, como o da Fátima Bernardes, colocando em debate a situação no Rio de Janeiro. Wilson Witzel afirmou que, mesmo lamentando muito a morte da garota, não pode parar as operações de invasões em comunidades e luta contra o narcotráfico.

Publicidade