in

Luciano Huck critica ‘brancos ricos’ e se iguala a Lula em discurso

Foto: Instagram/@lucianohuck
Publicidade

O apresentador da Rede Globo de Televisão, Luciano Huck, se tornou uma figura política em 2018, quando flertou com uma candidatura à presidência da República. Depois de muitas especulações, o artista e empresário declarou que não iria entrar na política.

Publicidade

Após um tempo, Luciano fez um discurso em uma palestra promovida pela revista Exame e demonstrou que quer novamente ser associado como uma figura política.

Publicidade

Huck vem flertando com uma candidatura à presidência da República no ano de 2022. Em discurso, Huck, segundo análise do site ‘Brasil 247’, se igualou com discursos recentes do ex-presidente da República Luiz Inácio Lula da Silva, que se encontra preso após ser incriminado em fases da operação Lava-Jato.

Críticas e elogios ao governo

Ao falar do atual governo, do presidente Jair Messias Bolsonaro, o apresentador elogia medidas econômicas tomadas junto ao ministro Paulo Guedes. Por outro lado, critica medidas sociais.

Publicidade

Huck foi aplaudido ao criticar a medida tomada pelo governador do Rio de Janeiro, Marcelo Crivella, de retirar revistas de quadrinhos não lacradas que continham cenas de dois homens se beijando. Segundo o apresentador, o povo está preocupado em como as suas vidas podem melhorar, e não com isso.

Fala polêmica

O marido da Angélica causou polêmica ao falar da desigualdade social no país, afirmando que as políticas sociais são desenhadas sem ouvir a parcela mais pobre e inclusive criticou a existência de muitos ‘brancos ricos’.

Não vamos resolver desigualdade com um monte de gente branca e rica sentada na Faria Lima“, disse o apresentador.

Publicidade

Leia Também

Escrito por Bruno Avila

Escritor de futebol e política desde 2016, quando comecei o trabalho na Blasting News. Hoje migrei ao 1News e sou um dos escritores mais lidos do site.

Belo tem dívida de 7 milhões, ostenta nas redes sociais e justiça bloqueia dinheiro

Huck dá indícios que será rival de Bolsonaro em 2022 e declaração provoca polêmica