Mãe e dois amigos são presos em flagrante após torturarem bebê de 9 meses; veja detalhes

Leia também

Andressa Urach relaciona Deus com quarentena e leva ‘voadora’ de Thammy Miranda

Ex modelo, Andressa Urach causa polêmica ao falar de Deus e recebe crítica de Thammy Miranda.

Patati e Patatá, sem montagem de palhaço, também fazem sucesso: ‘São lindos’

Quem são os atores por trás da maquiagem do Patati Patatá, apresentadores infantis famosos.

Lembra dela? A última e escandalosa aparição de Whitney Houston, antes do apagar da grande estrela mundial

Nem tudo foi brilho na vida de Whitney Houston, a grande estrela que se apagou.

Mel Maia se explica após foto em referência a organização assassina de negros

A atriz publicou a comparação em suas redes sociais para se defender após ser duramente criticada por antigas atitudes.
Publicidade

Um fato chocante ocorreu nesta última quinta-feira (08) no Complexo do Alemão, Zona Norte da cidade do Rio de Janeiro. Duas mulheres, de 19 e 24 anos, e um homem, de 22, foram presos em flagrante pela Polícia Civil, na sexta (09), após cometerem crime contra um bebê de nove meses de idade. 

 Classificado como hediondo, o crime de tortura contra a criança resultou em sinais de espancamento, afundamento de crânio e até fratura da costela do bebê, que foi rapidamente enviado ao Hospital Miguel Couto, na Gávea, onde foi submetido a uma neurocirurgia. De acordo com informações da Secretaria Municipal de Saúde, o estado salutar da criança é considerado gravíssimo.

Publicidade
Publicidade

 Após ser presa em flagrante, Edilaine de Araújo Assis, mãe da criança, afirmou que os hematomas encontrados no filho seriam oriundos de quedas frequentes da cama, contrariando a constatação feita pela Polícia de que a residência era desprovida desse objeto, visto que todos dormiam em colchões. Entretanto, posteriormente, a jovem confessou ter praticado as agressões, afirmando que o casal de amigos Naiara de Lima Silva e Wanderson Felipe Fernandes da Silva, que também foram presos, apenas se omitiram diante da situação.

Publicidade

A Polícia Civil, baseada em informações da médica legista Gabriela Graça, diretora do Instituto Médico Legal, declarou que a gravidade dos ferimentos, a existência de lesões em datas diferentes, bem como de ferimento semelhante a queimaduras de cigarro confirmam a ocorrência de crime de tortura. Os três acusados estão presos para prestarem futuros esclarecimentos a Justiça.

Publicidade

 Antes de dar entrada na atual unidade de saúde, a vítima foi levada ao Hospital Lourenço Jorge, na Barra da Tijuca. Porém, devido à gravidade dos ferimentos, foi transferida para o Hospital Miguel Couto, onde permanece em estado gravíssimo.