in

Após polêmica declaração sobre fome no Brasil, Bolsonaro volta atrás

Marcos Corrêa/PR/Flickr

Em café da manhã com jornalistas estrangeiros nesta sexta, 19, o presidente Jair Bolsonaro disse que é uma “grande mentira” que brasileiros passam fome.

“O Brasil é um país rico para praticamente qualquer plantio. Fora que passar fome no Brasil é uma grande mentira. Passa-se mal, não come bem, aí eu concordo. Agora, passar fome, não. Você não vê gente, mesmo pobre, pelas ruas, com físico esquelético, como a gente vê em alguns outros países pelo mundo, disse o presidente. 

Porém depois de o comentário causar polêmicas nas redes sociais e questionamentos, ele voltou atras e disse que uma pequena parte” da população passa fome

Segundo a última pesquisa do IBGE em 2013 sobre o tema, 3,6% dos brasileiros têm insegurança alimentar grave. Um índice que equivalia a 7,2 milhões de pessoas no ano da pesquisa. 

A Organização das Nações Unidas para Alimentação e Agricultura (FAO) em estudo realizado em 2018, considerou paralisado os programas de combate à fome no Brasil, já que o número de pessoas que passam fome diminuiu apenas de 1 milhão entre 2014 a 2017.

Já durante à tarde em evento de comemoração ao Dia Nacional do Futebol, Bolsonaro não gostou de ser questionado por jornalistas se havia ‘voltado atrás’ da declaração inicial: “Se for para entrar em detalhe, em filigranas, eu vou embora. Não estou vendo nenhum magro aqui. Temos problemas alimentares no Brasil? Temos. Não é culpa minha, vem de trás”, disse. 

Essa não é a primeira vez que o governo Bolsonaro causa polêmica ao tecer comentários sobre a fome. Em abril, a ministra da Agricultura, Tereza Cristina, afirmou que “nós não passamos muita fome porque temos manga nas nossas cidades, nós temos um clima tropical”. 


Durante o encontro com os jornalistas, Jair também disse que o Brasil está nos últimos lugares do ranking do uso de agrotóxicos. “Estamos nos últimos lugares no tocante ao uso de agrotóxicos”, o que é contestável, pois segundo a FAO, o Brasil ocupa o 47ª lugar das 198 nações em um ranking sobre o consumo de agrotóxicos por área plantada.

Leia Também

Jornal Nacional faz editorial histórico contra Bolsonaro e defende Miriam Leitão