in

Kit Armagedom? Membros das Testemunhas de Jeová estariam vendendo material para sobreviver ao fim do mundo

Paulopes
Publicidade

A religião Testemunha de Jeová, com origem a partir do movimento estudantil da bíblia, em 1870, é muito conhecida hoje em dia, principalmente, pelo seu conceito sobre o sangue.

Publicidade

Segundo a religião, em sua crença polêmica, os cristãos não deveriam aceitar transfusões de sangue, ou doar sangue à outra pessoa. Muitos, em alguns casos, chegam a morrer mas não aceitam a doação.

Publicidade

Ultimamente, outra polêmica dessa religião tem vindo à tona: a preparação para o fim do mundo. Segundo reportagem da TV Espanhola La Sexta, fiéis seguidores da religião estariam vendendo, o que denominam de Kit Armagedom, para a proteção da catástrofe que destruiria o mundo.

Uma mulher que tinha acabado de abandonar a religião, ao ser entrevistada pela TV La Sexta, da Espanha, relatou: “Eu vivia com muito medo porque você está constantemente falando sobre o fim do mundo, que vem Armagedon, o Apocalipse … e temos de estar preparados porque temos de sobreviver”.

Publicidade

O referido kit contém comidas enlatadas, abridor de latas, água, medicamentos, gazes, roupas íntimas, repelentes, capacete, faca, jaqueta, dentre outros itens. O preço é de €50, equivalente a aproximadamente R$215.

Além disso, a mulher afirma que somente poderá comprar o Kit Armagedom quem for adepto da religião. Caso contrário, a compra do kit será ineficaz, não servindo para a proteção contra a destruição.

Por não saberem detalhes, nem data, já estão se preparando para o evento que, segundo eles, irá acontecer em breve e destruirá tudo.

Publicidade

Leia Também

Escrito por Rafael

Rafael Lessa é um escritor que gosta de estar sempre informado sobre o que acontece no Brasil e no mundo. Nas horas vagas, gosta de redigir matérias jornalísticas, levando entretenimento e cultura para seus leitores.

Mulher que empurrou Padre Marcelo viajou com filho de 3 anos e é afastada da criança

Delegado abre o jogo e revela o que mulher que agrediu Padre Marcelo disse em depoimento