in

Adriano Imperador é acusado de agredir homossexual: ‘não tem Maria da Penha para viado’

Instagram Adriano

Adriano Imperador, sucesso nos gramados e uma celebridade fora deles, por conta de suas várias polêmicas, acaba de se envolver em mais um caso que repercutiu na mídia do país. O jogador está sendo acusado de agressão, e o caso acabou parando na polícia.

A briga aconteceu na madrugada de domingo para segunda-feira (8), e o caso tornou-se público agora. Dentro da boate Vitrinni Lounge, localizada na Barra, Zona Oeste do Rio, Adriano Imperador teria tentado agredir um rapaz.

Segundo consta no boletim de ocorrência feito na 16ª Delegacia de Polícia da Barra da Tijuca, o alvo seria Yuri Monteiro, de 27 anos. Adriano teria partido pra cima dele, arremessando inclusive um copo, e disparando uma série de ameças, inclusive de cunho homofóbico: “Eu vou te pegar. Não tem (Lei) Maria da Penha para viado“, soltou o Imperador.

O rapaz prestou entrevista para o jornal Extra, afirmando que a irritação de Adriano veio por conta de ciúmes envolvendo uma ex-namorada, Micaela Mesquita, a qual é também sua amiga. Ele, que é promoter, teve que fugir pela porta dos fundos da boate. 

Além disso, Yuri Monteiro afirma que está com muito medo de sair nas ruas, sob a tensão de que Adriano Imperador mande alguém fazer algum tipo de mal contra ele. A investigação policial deve colher imagens do circuito interno de câmeras de segurança da boate, a fim de que o episódio possa ser esclarecido.

Ainda de acordo com o rapaz, ele costumava frequentar festas na casa de Adriano. Em um determinado momento, a ex-namorada, Micaela, teria enviado uma foto com os dois para o Imperador, o que gerou uma irritação. Neste dia, a mulher também estava na boate.

Leia Também

Escrito por Henrique

Henrique Furtado é um redator que gosta de ocupar o seu tempo livre lendo notícias, e noticiando aquilo que acha mais interessante.

Luto: goleiro morre logo após defender pênalti com o peito e todos ficam chocados

Preso pede para ser 1º executado no Brasil: ‘Quero que o estado me mate’