in

Najila fala mal da Polícia, mas é castigada pela corporação, que dá duro castigo

Polícia Divulgação / SBT / Fernando
Publicidade

O caso contra o jogador Neymar está tendo grande repercussão na mídia. O atleta foi acusado pela modelo Najila Trindade de abuso. Ele negou, mas mesmo assim a investigação continua. Ainda assim, Najila pareceu não conformada pelo trabalho da corporação. Em uma das suas muitas entrevistas, ela criticou a Polícia e deu a entender que ela era ‘comprada’.

Publicidade

Pois bem, nesta quarta-feira, 12 de junho, uma novidade no caso em torno do jogador surpreendeu muita gente. De acordo com o jornal Agora São Paulo, a própria Polícia Civil do estado de São Paulo decidiu registrar um Boletim de Ocorrência contra Najila, após a declaração. Agora a modelo também é processada por difamação, devido à sua polêmica declaração.

Publicidade

A declaração de Najila foi dada durante uma entrevista ao jornalista Roberto Cabrini, do SBT. No momento em que ela disse a frase polêmica contra a polícia, o profissional da mídia a questionava sobre o que esperava das investigações, uma vez que o tablet que teria o suposto vídeo completo de Najiila e Neymar teria sido roubado. 

O delegado José Fernando Bessa decidiu então fazer um registro de ocorrência, ao ter ciência da resposta da modelo. Difamar alguém, imputando-lhe fato ofensivo à sua reputação pode dar pena  de três meses a um ano de prisão.

Publicidade

Advogado é o terceiro a abandonar defesa de Najila

A modelo estava sendo defendida por Danilo Garcia de Andrade, que tomou conta de seu caso após ela ser deixada pelos antigos contratados. Danilo contou que a cliente não se dispôs a entregar o telefone celular solicitado pela polícia, o qual poderia contar provas contra Neymar.

Publicidade

Leia Também

Escrito por Fernando B

As melhores notícias você encontra por aqui. Conheça essas e outras histórias.

Vizinhos de Rafael Miguel falam sobre morte violenta do ator e seus pais

Mãe de Isabela, namorada de Rafael Miguel, afirma ser amante do homem acusado de matá-lo