Mulher que mutilou e matou filho de 9 anos explica o que sentia por ele e causa revolta

Leia também

Em meio a crise e demissões, Corinthians anuncia acerto com craque

Pandemia do novo coronavírus faz Corinthians demitir, mas acerto com craque é finalizado.

Lembra do bebê fumante? 13 anos depois, ele está irreconhecível e sem cigarro

Em 2007, com apenas dois anos de idade, Ardi Rizal viralizou na internet com um bebê fumante.

Lembra da cantora do Xibom Bombom? 20 anos após sucesso, segure o queixo ao vê-la hoje

Ex-vocalista de As Meninas, Carla Cristina fala sobre quarentena e surpreende com aparência.

Super doador: homem tem 40 vezes mais anticorpos para o novo coronavírus

Ele ficou uma semana internado lutando contra a Covid-19 e agora pode ajudar muita gente.
Diogo Marcondes
Jornalista formado desde 2015. Jornalista por vocação desde que nasceu. Redator do i7 Network.
Publicidade

Rosana Auri da Silva Cândido ganhou as manchetes de todo o Brasil na última semana depois que a morte de seu filho, uma criança de apenas nove anos, veio à tona e causou repulsa em todo mundo. O menino foi morto com a ajuda da companheira dela, Kacyla Pyscila Santiago Damasceno Pessoa.

As duas tramaram e executaram a morte do menino. Cerca de um ano antes de ser morto com requintes de crueldade, a criança havia sofrido uma mutilação gravíssima: seu órgão genital foi arrancado.

Publicidade
Publicidade

A mãe e a parceira dela fizeram uma “cirurgia” caseira para arrancar o órgão do garoto. Ele não foi atendido por nenhum médico após o ocorrido.

Publicidade

No dia 31 de maio, a morte do pequeno menino foi carregada de maldade. Ele levou facadas e, depois de morto, o corpo foi esquartejado e as partes foram colocadas dentro de uma mala.

Publicidade

Além das duas e do menino, morava na mesma que elas uma filha de Kacyla. Ela e a companheira, Rosana, fugiram de Rio Branco, no Acre, passaram por algumas cidades até chegar a Samambaia, no Distrito Federal.

As duas estão presas e podem pegar até 57 anos de prisão pelos crimes de fraude processual – elas tentaram limpar o local onde a criança foi assassinada –, ocultação de cadáver, lesão corporal gravíssima – por terem arrancado o órgão da criança –, e tortura e homicídio qualificado.

Segundo o delegado-adjunto da 26ª DP, Guilherme Melo, Rosana teria justificado a morte da criança dizendo que não sentia nenhum amor por ela. “A morte seria uma vingança. A mãe disse que sentia ódio e nenhum amor pela criança”, afirmou o delegado. O crime cruel repercutiu nas redes sociais.