in

‘Demos mole’: explicação de Renato sobre derrota para o Fluminense revolta torcedores

Reprodução: Gremistas
Publicidade

O Grêmio não teve um bom resultado dentro de campo neste último domingo (05), na partida contra o Fluminense, em que o time gaúcho acabou perdendo por 5 a 4.

Publicidade

Durante a coletiva de imprensa após o jogo, Renato Portaluppi repetiu por diversas vezes que o time havia “dado mole”, mas a falta de motivos coerentes para explicar as razões do tropeço foi alvo de reclamações entre os torcedores.

Publicidade

Renato disse: “Estou falando há 10 minutos que demos mole. Todos nós. O Grêmio deu mole. Demos mole, todo mundo. Somos culpados. Agora temos que parar de dar mole. O Grêmio dificilmente sofre muitos gols, não me lembro da última vez que tomamos cinco numa partida, ainda mais depois de estarmos vencendo por 3 a 0″. O treinador ainda salientou, que independente do ocorrido o time não pode mais dar mole e tem que seguir em frente.

Mesmo com o resultado negativo e as críticas da torcida, Renato Portaluppi tem certeza de que o time vai conseguir se recuperar na próxima partida. O treinador se comprometeu a trabalhar para que o elenco não deixe o resultado se repetir.

Publicidade

A direção do Grêmio também não quis entrar em detalhes sobre as razões que levaram o time gaúcho a sair de campo derrotado, ainda mais depois de terem aberto um placar com três gols de vantagem durante o confronto.

O próximo compromisso do Grêmio será contra o Universidad Católica. Na próxima quarta-feira (08), os dois clubes se enfrentam pela última rodada da fase de grupos da Libertadores. Para ter o direito de avançar na competição e disputar a semifinal, o Tricolor Gaúcho só precisa garantir o empate.

Publicidade

Leia Também

Escrito por Rômulo NC

Ator, youtuber e redator, Rômulo N.C é formado pela casa de artes cênicas Recriarte e sempre atuou como escritor de diversos sites.

Testemunha complica vida de marido de Carol, que agora é acusado pela morte da modelo

Mulher vai ao hospital e descobre que vivia com uma barata no ouvido