in

Escolas criarão banheiro para crianças que se identificam como um terceiro gênero

Jornal da Cidade Online
Publicidade

A discussão sobre ideologia de gênero está presente em todos os países do mundo. Em países da Europa, a discussão parece ser ainda maior e uma atitude na Alemanha acabou causando polêmica.

Publicidade

O jornal Frankfurter Allgemeine Zeitung, da Alemanha, divulgou que três escolas de Munique vão criar um banheiro que representa um terceiro gênero. Porém, não são para adolescentes que os banheiro estão sendo criados.

Publicidade

A atitude vem sendo tomada por três escolas de ensino primário, que acolhem crianças entre 5 e 10 anos. A medida é para aqueles que não se identificam nem como homens ou mulheres não se sentirem desconfortáveis frequentando banheiros masculinos ou femininos.

Como a polêmica de meninos ou meninas transexuais frequentarem banheiros de outro sexo é grande, a escola primária viu a atitude como uma solução para os problemas impostos na sociedade atualmente.

Publicidade

As escolas seriam as primeiras na Baviera a adotar o banheiro de terceiro gênero“, teria confirmadl o porta-voz do Ministério da Educação da Baviera, segundo o portal Breitbart.

A intenção é que outras escolas do país e do mundo sigam o exemplo das escolas primárias. A ideia vem de partidos progressistas do país, que acreditam que pouco importa o gênero que a criança nasceu, mas sim o que ela decide ser a partir do momento que teria consciência para tomar tal decisão.

No Brasil, a polêmica sobre o assunto é muito grande e o atual presidente da República, Jair Messias Bolsonaro, ganhou grande parte de sua popularidade com combate aos ideais de partidos a favor da ideologia de gênero.

Publicidade

Leia Também

Escrito por Bruno Avila

Escritor de futebol e política desde 2016, quando comecei o trabalho na Blasting News. Hoje migrei ao 1News e sou um dos escritores mais lidos do site.

Pai deu entrevista sobre morte do filho pouco antes de morrer por infarto; assista

Bolsonaro nomeia mais um ministro para o governo