in

‘Palmeiras foi o primeiro campeão mundial de clubes e ponto final’, afirma ex-presidente da FIFA

Gazeta Press

No futebol, de maneira geral, as coisas costumam acontecer muito rápido. Mas uma polêmica que perdura por décadas voltou à tona nesta terça (16/04) e envolve diretamente a situação do Palmeiras como campeão mundial. Dessa vez, o ex-presidente da entidade máxima do futebol, a FIFA, Joseph Blatter bateu o martelo e fechou a questão ao dizer que “o Palmeiras foi o primeiro campeão mundial de clubes (…)“.

Situação antiga que gera constrangimento e zoeira dos torcedores rivais

Blatter, em entrevista ao portal UOL, afirmou que já há uma sinalização para o encerramento definitivo dessa questão, em suas palavras, o ex-mandatário disse “nós concordamos em reconhecer o Palmeiras (como primeiro campeão mundial)”.

Porém, desde a saída de Blatter do comando, Infantino, atual presidente da FIFA, mudou a postura que seria adotada pela instituição e passou a somente considerar como campeões mundiais, os clubes que ergueram a taça a partir de 1960, o que deixaria a conquista e título palmeirense fora da galeria seleta de campeões mundiais.

Tal posicionamento da FIFA, segundo Blatter, vai contra o que havia sido debatido para que a questão fosse encerrada de uma vez por todas. “Devemos reconhecer que o Palmeiras foi o primeiro campeão mundial de clubes e ponto final. Foi o primeiro”, completou Blatter.”

Enquanto oficialmente a FIFA ainda não reconhece o Palmeiras como campeão, os torcedores rivais aproveitam para tirar sarro com o time e a zoeira sempre foi muito forte no sentido de ‘joga na cara’ que o Palmeiras não tem Mundial. Será?

Leia Também

Escrito por Bruno Araújo

Trabalho com editoriais para plataformas de notícias há mais de 6 anos, sou formado em engenharia industrial e gosto de escrever matérias sobre futebol, televisão, política, entre outras. Quer falar comigo? jesus.brunoaraujo@gmail.com

Next post

Padilha detona Sérgio Moro e se diz arrependido em apoiá-lo: ‘Admito que errei’

Novo presidente americano pode ser gay com direito a ‘Primeiro cavalheiro’