in

Correria, invasões, medo de tragédia e shows paralisados: Lollapalooza dá o que falar

Reprodução / MSN
Publicidade

O segundo dia do festival Lollapalooza 2019, neste sábado (6), foi marcado por confusão. Tudo começou devido à previsão de que chovesse forte na região do Autódromo de Interlagos, zona sul da cidade de São Paulo.

O risco de uma tragédia, já que a estrutura de metal dos palcos e o local aberto poderiam facilitar a queda de raios, provocou correira. Enquanto o palco Ônix era esvaziado e as pessoas orientadas a saírem do autódromo, em outros palcos não acontecia o mesmo, o que demonstrou um descuido. Quando a chuva começou, grupos de pessoas corriam para locais diferentes e buscavam abrigo.

O prédio espelhado que funciona como sala de imprensa e de produção foi invadido pela multidão que queria se abrigar da chuva. Os seguranças passaram a tentar barrar as pessoas, mas não conseguiram.

Publicidade

De acordo com o Estadão, pessoas que saíram do autódromo estavam revoltadas porque não conseguiam voltar. O portão 7 foi tomado por um multidão que queria informações. O trânsito na avenida Interlagos ficou caótico e atingiu também a avenida Teotônio Vilela.

Publicidade
Publicidade

Por volta das 16h30, após paralisação de mais de duas horas, o Lollapalooza voltou ao normal, os portões foram reabertos e o público voltou a entrar. Às 18h, muita gente ainda entrava no autódromo.

“Aviso importante! Pode vir! Os portões do festival estão sendo reabertos! Se você optou pela saída voluntária, pode voltar no momento que quiser para o #LollaBR!”, avisou o perfil oficial do Lollapalooza no Twitter. “Saída voluntária? Os bombeiros nos evacuaram e foi orientado por alguém no palco que todos saíssem”, comentou uma internauta, indignada com a situação.

Publicidade

Inscreva-se em nosso canal no YouTube e fique por dentro de tudo o que acontece. CLIQUE AQUI

Publicidade
Diogo Marcondes

Escrito por Diogo Marcondes

Jornalista formado desde 2015. Jornalista por vocação desde que nasceu. Redator da i7 Network desde 2015.
Fale comigo: diogojornalismo@yahoo.com.br