in

Menina de 8 anos, que abriu mão de aniversário para doar quentinhas na rua, ganha festa

G1
Publicidade

A noite do dia 22 foi mais que especial para a pequena Adrielly Pacheco, de apenas 8 anos de idade. A menina mal podia acreditar na festa magnífica que ganhou. A comemoração contou com um painel temático da personagem Ladybug, bolo docinhos e vários amigos.

Toda essa grande comemoração foi organizada e doada por pessoas que foram tocadas pela história da menina, moradora de Realengo, Zona oeste do Rio. Adrielly emocionou a todos ao preferir trocar a festinha que seus pais fariam para ela em seu aniversário por quentinhas para serem doadas a moradores de rua.

Adrielly completou 8 anos em fevereiro e teve essa ideia comovente ainda no ano passado. A mãe da menina acreditou que fosse algo passageiro, mas se enganou. A aniversariante insistiu em produzir 50 quentinhas para que fossem distribuídas na rua para pessoas que estivessem com fome.

Publicidade
Publicidade
Publicidade

A história da atitude comovente da menina foi parar nas redes sociais e viralizou rapidamente. Foi ai que alguns leitores da página “Suburbano da Depressão” decidiram fazer algo pela Adrielly. Nos próprios comentários da postagem que contava a história começaram a se organizar para dar uma festa de presente para ela.

Rapidamente surgiu quem doasse o bolo, os docinhos e outras pessoas até se candidataram para cozinhas ou trabalhar como garçom. “Quando soube, Adrielly deu pulos de alegria. Ela não esperava ter uma festa”, contou a mãe, Luciana Pacheco.

Foi Adrielly quem fez a escolha do tema: Ladybug. No grande dia a menina não passou o tarde em casa, pois ela ganhou um “Dia de Princesa” de um salão de beleza da região. Os serviços incluíram unhas pintadas, cabelo feito e uma bela maquiagem, além de ganhar da cabeleireira uma roupa inspirada na personagem tema de sua festa.

“Eu e o pai dela ficamos muito felizes. A gente não esperava que seu pedido fosse comover tanto as pessoas e fazer o dia dela como foi ontem. A Adrielly se divertiu, cantou, dançou. Ela ficou feliz com tudo: com os presentes, com os amigos que vieram. Ela gostou de tudo”, disse a mãe.

Publicidade
Publicidade
Publicidade
Higor Mendes

Escrito por Higor Mendes

Redator com três anos de experiência, apaixonado por história da Segunda Guerra Mundial, política, futebol e curiosidades em geral.