Veja o que aconteceu com o limpador de piscina, acusado de violentar três meninas

Leia também

Menino de 4 anos morre ao ingerir algo que quase toda mãe tem casa

A criança ainda chegou ao hospital com vida, mas infelizmente não resistiu.

Como receber o auxílio emergencial de R$ 600 e quando o dinheiro estará disponível

Quem atende aos requisitos poderá sacar em breve o valor de R$ 600, mas é preciso ficar atento ao prazo.

Apresentador do Jornal Nacional pede demissão da Globo

Motivo da demissão é salário reduzido de profissional em meio à pandemia do coronavírus.

Morre aos 5 anos, garotinho milagre que nasceu com apenas 20% do cérebro

A criança surpreendeu ao sobreviver mesmo após ter nascido sem boa parte do cérebro.
Russel
Sempre ligado a tudo que acontece no Brasil e no mundo, estou sempre trazendo as últimas notícias sobre o mundo dos famosos, reality shows, filmes, músicas, novelas e programas de televisão de um modo geral. Aqui você ficará sempre muito bem informado. Se quiser entrar em contato, fique à vontade: russelmy@yahoo.com.br
Publicidade

Jacson Barros de Souza, 40 anos, foi acusado de abusar de três meninas, com idade entre 9 a 13 anos. O crime foi em condomínio de luxo, em 2017, em Manaus. Agora, o limpador de piscinas foi condenado a 30 anos e 4 meses de reclusão em regime fechado.

Uma câmera de segurança flagrou o momento exato em que ele abusou de uma das meninas. Jacson também foi condenado a pagar indenização para cada uma das garotas, por dano moral.

Publicidade

Graças às denúncias anônimas os policiais civis conseguiram chegar ao suspeito. O denunciante revelou que o sujeito foi flagrado em um vídeo abusando de uma menina de apenas 10 anos, quando estava em um condomínio de classe média alta. Os investigadores descobriram que ele trabalhou no local como auxiliar de serviços gerais há alguns anos e que em 2017, foi contratado por um dos moradores para limpar a piscina.

Publicidade

As três meninas deram depoimento e confirmaram o abuso sofrido. Segundo a delegada responsável pelo caso na época, o criminoso chamava estas meninas dizendo que elas participariam de uma ação na igreja e assim conseguia a confiança dos pais. Ele também dava presentes caros para as meninas e dizia às mães que as garotas seriam coroinhas na igreja.

Publicidade

Preso em 2017, o acusado ficou detido durante toda a ação penal que correu em segredo de Justiça. Não foi informado se os advogados de defesa irão recorrer da sentença. O condomínio não quis dar detalhes de como está fazendo para contratar prestadores de serviço, para evitar que crimes como este voltem a acontecer.