in

Ciclone Idai atinge hospital e destrói todas incubadoras; os médicos estão desesperados

Rtp
Publicidade

O hospital de Beira foi atingido pelo ciclone Idai e todas as incubadoras foram destruídas. Os bebês que estão internados são sobreviventes de regiões atingidas pelo ciclone e os médicos estão sem saber o que farão agora.

Um médico informou que o local precisa manter a temperatura e a umidade controladas para a saúde de todos os recém-nascidos. O ideal é que a temperatura estivesse entre 22 e 24 graus, porém, após a passagem do ciclone, e todos os equipamentos serem destruídos, é só entrar na sala para ficar suado, o que indica o calor que está fazendo por lá.

Outro problema é que só tem oxigênio para um prematuro e se mais algum precisar, os médicos terão que ver como farão para compartilhar entre eles. Os prematuros estão todos em uma sala, falta espaço para eles e principalmente para as mães.

Publicidade
Publicidade
Publicidade

Por toda cidade de Beira são vários centros de saúde, mas quase todos foram destruídos pelo ciclone. As enfermeiras tentam cuidar dos pacientes, mas é difícil, muitos quartos não contam nem com telhas, pois o vento levou todas.

Uma médica chegou a fazer três partos na noite do ciclone e contou que foi o maior desespero, porque não havia como adiar. Agora, todos esperam ajuda da Cruz Vermelha e também da Unicef.

As equipes de resgate estão tentando reabrir a principal estrada que dá acesso a Beira, para que a ajuda possa chegar às vítimas. O Brasil, assim como a Alemanha e outros países, estão enviando ajuda para Moçambique. Os alemães doaram mais de 1 milhão de dólares. O Reino Unido também já enviou dinheiro para os países africanos.

Publicidade
Publicidade
Publicidade
Russel

Escrito por Russel

Sempre ligado a tudo que acontece no Brasil e no mundo, estou sempre trazendo as últimas notícias sobre o mundo dos famosos, reality shows, filmes, músicas, novelas e programas de televisão de um modo geral. Aqui você ficará sempre muito bem informado. Se quiser entrar em contato, fique à vontade: [email protected]