in

Ex-panicat abre o jogo sobre bastidores do Pânico e realidade de assédios vêm à tona

Divulgação / Pânico na Band
Publicidade

Parte dos bastidores do Pânico na Band foram revelados pela ex-panicat Carol Dias, nesta terça-feira (26), em entrevista ao Fofocalizando, do SBT. Ela afirmou que foi assediada moral e sexualmente e que processará a emissora paulista.

Segundo Carol Dias, em seus últimos dois anos no programa, ela teria pedido para que a direção revisse o seu papel dentro da atração de humor, mas nunca foi atendida. “Uma vez fui gravar com um diretor de externa. Uma menina me perguntou: ‘Você namora?’. O diretor falou: ‘Ela não namora, ela tem cliente’. É humilhante”, contou.

Carol afirmou que saiu chorando da gravação ao ser chamada, indiretamente, de garota de programa. “Eu estava cheinha e tive que escutar de uma diretora: ‘Cartão vermelho pra você, você está gorda'”, recorda outro momento dentro do Pânico.

Publicidade

A ex-panicat afirma que ficou traumatizada com a experiência e que até hoje toma remédios. Em outro episódio, ela foi constrangida pelos diretores da atração. “A mesma diretora chegou para mim um dia e falou: ‘Carol, me faz um favor? Me dá o seu maiô porque o diretor pediu'”, recorda.

Publicidade

À época Carol não tomou providência e explicou o porquê: ela não queria perder o emprego. Na entrevista ao Fofocalizando, ela também contou que nunca teve conflitos com o apresentador da atração, Emílio Surita. Segundo Carol, ele era educado e bem resguardado.

De acordo com o UOL, a Band foi procurada, mas não comentou o assunto. O Pânico começou na RedeTV!, em 2003, e migrou para a Band, em 2012. Cinco anos depois, com baixa audiência, saiu do ar.

Publicidade
Diogo Marcondes

Escrito por Diogo Marcondes

Jornalista formado desde 2015. Jornalista por vocação desde que nasceu. Redator da i7 Network desde 2015.
Fale comigo: diogojornalismo@yahoo.com.br