in

Comunidade Dona Marta no Rio acorda sobre tiroteio; caos e desespero toma conta

G1
Publicidade

A manhã do dia 26 de março ficará marcada para sempre na memória dos moradores da comunidade do Morro Dona Marta, no Rio de Janeiro. Um tiroteio que teria começado ontem ainda vem causando pânico e destruição a muitos moradores da comunidade.

Publicidade

Através das redes sociais os moradores relataram o caos em que estavam vivendo. A corporação havia informado sobre a operação policial que fariam na comunidade. Câmeras do GloboCop flagraram o exato momento em que um dos militares que participavam da ação atirava um sofá e um mobiliário contra a fogueira.

Publicidade

Os objetos atirados pareciam ser de um bar. Logo em seguida, é possível ver ele jogando um líquido. Em entrevista ao Bom Dia Rio, o secretário da PM, coronel Rogério Figueiredo, disse que iria realizar uma apuração minuciosa dos fatos, pois atos como o que foi registrado não são tolerados.

Mais tarde, o porta-voz da PM, o coronel Mauro Fliess alegou que o local onde aconteceu a operação era cercado pelos traficantes que utilizavam a região como um ponto de drogas.

Publicidade

O porta-voz também falou sobre o policial que foi flagrado ateando fogo em vários objetos: “O policial que tomou a iniciativa de incendiar o sofá pertence ao efetivo da própria UPP Santa Marta. Já foi identificado e, já está prestando depoimento sobre sua conduta”. O Militar afirmou que se ele não apresentar argumentos que sejam suficientes para sua ação, terá uma punição severa.

Em nota, a assessoria da PM alegou que uma ação foi realizada na comunidade na manhã desta terça-feira (26), mas que ainda não havia nenhuma informação sobre feridos, presos e apreensões feitas.

Publicidade

Leia Também

Escrito por Rômulo NC

Ator, youtuber e redator, Rômulo N.C é formado pela casa de artes cênicas Recriarte e sempre atuou como escritor de diversos sites.

Flamengo pode pagar fortuna para comprar Gil, ex-Corinthians

Ex-panicat abre o jogo sobre bastidores do Pânico e realidade de assédios vêm à tona