in

Ministro comete gafe ao anunciar militarização da Escola Raul Brasil após ataque em Suzano

Foto: Luis Fortes/MEC | Julien Pereira/Fotoarena/Estadão Conteúdo
Publicidade

Ricardo Vélez Rodríguez, ministro da Educação do governo Jair Bolsonaro, declarou que estaria avaliando a possibilidade de se militarizar a Escola Estadual Professor Raul Brasil, palco da tragédia ocorrida em Suzano, São Paulo, no último dia 13 de março.

Publicidade

Por meio de suas redes sociais, ele declarou que o governo federal faria o pagamento antecipado da verba chamada PDDE, Programa Dinheiro Direto na Escola.

Publicidade

Segundo ele, a ação seria um alento para a comunidade local, diante do massacre ocorrido. Na mesma mensagem, ele informou que se encontrará com Rodrigo Ashiuchi, prefeito de Suzano, a fim de conversarem acerca da possibilidade de se adotar o modelo cívico-militar naquela escola.

Entretanto, Ricardo Vélez Rodríguez esqueceu-se de um detalhe: a instituição de ensino não é ligada ao município, mas sim ao governo do estado de São Paulo.

Publicidade

A secretaria de Educação não foi procurada pelo Ministério da Educação, e já teria sinalizado recusa diante da ideia de adoção do modelo militar em sua rede de ensino, descartando integralmente a ação na Escola Estadual Professor Raul Brasil.

Diante deste impasse, tal mudança permanece no plano das ideias, não havendo ainda certeza sobre a viabilidade da mudança estrutural da instituição, a qual depende de outros fatores burocráticos além do desejo do ministro.

A ideia de se militarizar as escolas pelo país é uma das diretrizes educacionais propostas pelo governo Jair Bolsonaro (PSL), sendo inclusive já apresentadas ao longo da campanha eleitoral de 2018 como uma das bandeiras levantadas pelo então candidato.

Publicidade

Leia Também

Escrito por Henrique

Henrique Furtado é um redator que gosta de ocupar o seu tempo livre lendo notícias, e noticiando aquilo que acha mais interessante.

Alerta aos pais! Vídeo com menino sendo agredido em escola viraliza

Jean Wyllys diz que se alguém quisesse matar Jair Bolsonaro não teria usado faca de pão