in

Criança de 4 anos tenta tirar a própria vida por suposta influência da Momo

Publicidade

A Momo é uma antiga conhecida dos internautas. Há algum tempo, um número de WhatsApp assombrava aos que estavam online e tentavam falar com a personagem. Entretanto, o que parecia brincadeira agora parece ter tornado algo bem mais grave.

Publicidade

Algumas famílias estão relatando e, até mesmo, o Jornal Nacional noticiou o assunto. Alguns hackers estariam invadindo conteúdo do YouTube e colocando a Momo em vídeos infantis, no YouTube Kids.

Publicidade

Nos vídeos, segundo relatos, a Momo ensina às crianças, que geralmente assistem enquanto a mãe está fazendo outra atividade, a cometerem os mais terríveis delitos, como suicídios e também ataques aos seus pais.

Alguns jornais locais da cidade de Goioerê, no interior do Paraná, publicaram informações sobre um caso envolvendo uma criança de 4 anos que teria tentado tirar sua própria vida após supostamente ter visto vídeos da Momo no YouTube. O Meia Hora e O Dia do IG também noticiaram o caso juntamente com vários jornais da região onde o caso ocorreu. 

Publicidade

Os pais acreditam que a influência dos vídeos na internet assistidos pela criança foram responsáveis pela mudança no seu comportamento.

Até por segurança à família, os jornais não vêm publicando informações sobre quem são os pais ou se a criança precisou de atendimento. Segundo os relatos, o menino teria tentado cortar os próprios pulsos e depois tentado enforcar o seu pai. Não teria acontecido nada com a criança, somente cortes superficiais.

A família está no Jardim Curitiba, e logo a notícia viralizou na região. Agora, o caso fica de alerta aos pais, pois não se tem a confirmação oficial de que isso realmente está acontecendo já que o próprio YouTube diz não ter encontrado nada sobre a Momo nos vídeos.

Contudo, há diversos relatos no exterior de crianças que cortaram seus próprios cabelos e também cometeram diversos atos impressionantes.

Publicidade

Leia Também

Escrito por Bruno Avila

Escritor de futebol e política desde 2016, quando comecei o trabalho na Blasting News. Hoje migrei ao 1News e sou um dos escritores mais lidos do site.