in

Pato rescinde na China e pode ser novo reforço do Palmeiras

FOTO: DIVULGAÇÃO/TIANJIN QUANJIAN

O atacante Alexandre Pato rescindiu seu contrato com o Tianjin Tianhai e está livre no mercado do futebol. O atleta de 29 anos chegou a um acordo com a equipe que defendia há dois anos. Seu vínculo com o clube chinês se encerraria no final de 2019.

Tudo indica que futuro de Alexandre Pato será o futebol brasileiro. Há cerca de um mês, Palmeiras, Santos e São Paulo demonstravam interesse no atacante, mas ainda não havia rescindido seu contrato com o Tianjin Tianhai. Agora Pato está livre para negociar.

O Palmeiras pode fazer uma oferta, levando em conta a carência da equipe na posição. Os atacantes Carlos Eduardo e Felipe Pires não se firmaram no Verdão e isso causou ainda mais desejo da diretoria em contar com Alexandre Pato.

Caso queira contar com o atacante nessa temporada, o Verdão terá que bancar apenas luvas e salário de Alexandre Pato, uma vantagem pois não terá que gastar com nenhum dinheiro de transferência, visto que o atacante está sem clube.

Outra boa notícia para a diretoria Alviverde é que a contratação do craque brasileiro é vista como inviável para a comissão técnica do São Paulo. Isso quer dizer que uma equipe a menos está na disputa por Alexandre Pato.

O planejamento do novo técnico Cuca prefere pensar em outros jogadores, além da situação financeira do São Paulo não ser uma das melhores. O São Paulo, portanto, já demonstrou que prefere investir em Keno e Roger Guedes.

Segundo alguns torcedores do Palmeiras, essa é a chance do clube ‘consertar a contratação de Carlos Eduardo e Felipe Pires’, pois segundo eles, foi um erro a contratação de ambos, e Alexandre Pato seria a solução.

Leia Também

Escrito por Bruno Avila

Escritor de futebol e política desde 2016, quando comecei o trabalho na Blasting News. Hoje migrei ao 1News e sou um dos escritores mais lidos do site.

Next post

Dois alunos, vítimas de atiradores em Suzano, recebem um ‘milagre divino’ e emocionam o país

Comentarista avisa flamenguistas: ‘Rafinha é mesmo nível que Rodinei e Pará’