in

Ao menos 49 pessoas morreram nos ataques a tiros em mesquitas da Nova Zelândia

Reprodução - Live / UOL

Ao menos 49 pessoas foram mortas e outras dezenas ficaram feridas após ataques simultâneos a duas mesquitas em Christchurch, na Nova Zelândia, na noite desta quinta-feira (14).

Quatro pessoas que estariam envolvidas nos ataques foram detidas. As autoridades policiais do local não descartam a participação de mais uma pessoa que estaria foragida.

Um dos principais alvos dos atiradores foi a mesquita de Linwood, que no momento do ataque recebia mais de trezentas pessoas. Um homem fez uso de um rifle automático para alvejar as pessoas que frequentavam o local e transmitiu tudo ao vivo.

Segundo relatos de testemunhas oculares, o criminoso fazia uso de capacete, óculos e uma jaqueta com camuflagem militar. Dez minutos após as orações, que se iniciaram as 13h30 do horário local, o homem descrito como branco, loiro, magro e de baixa estatura, adentrou no lugar efetuando os disparos.

Ahmad Al-Mahmoud, de 37 anos, disse ao portal Stuff que estava rezando quando ouviu os disparos e que ele e outros fiéis precisaram quebrar os vidros das janelas da mesquita para então escaparem do atirador.

As autoridades orientaram para que as pessoas que moram ou trabalham na região dos ataques permaneçam dentro dos prédios, em local seguro e não circulem pelas ruas até o final da tarde.

As escolas de Christchurch foram fechadas e mensagens foram enviadas aos familiares dos alunos para avisá-los de que as crianças estão em segurança. Todas as mesquitas do país foram orientadas a fecharem suas portas até que a segurança de todos esteja garantida.

Leia Também

Escrito por Higor Mendes

Corretor de Imóveis, cursou até o 3º semestre de Engenharia de Pesca na Universidade Federal Rural da Amazônia e atualmente é graduando em História na UNP. Apaixonado por História da Segunda Guerra Mundial, Política, Futebol e curiosidades em geral.

Next post

Samuel, vítima de Suzano, foi ilustrador de livro sobre superação da dor

PM que entrou na escola em Suzano faz emocionante depoimento sobre os horrores que viu