in

Professor expõe verdade sobre escola que sofreu ataque em Suzano e surpreende

Reprodução / G1 / GloboNews
Publicidade

O massacre ocorrido na Escola Estadual Raul Brasil, em Suzano, nesta quarta-feira (13), quando dois jovens assassinos, de 17 e 25 anos, invadiram o local e mataram oito pessoas, reacendeu o debate sobre bullying no ambiente escolar.

À GloboNews, um ex-professor do Raul Brasil desabafou sobre a escola. Edilson Castilho revelou que estudou e deu aulas no local. “O que me deixou triste quando optei em trabalhar aqui no Raul Brasil foi a questão do número muito grande de alunos em sala de aula”, disse o professor, que trabalhou no local entre 2011 e 2013.

Ele afirma ainda que a prática do bullying era constante entre os alunos dentro da escola. A mãe de Guilherme Taucci, de 17 anos, um dos atiradores, revelou que o filho sofria bullying e por isso abandonou a escola depois de cursar o primeiro e o segundo ano do ensino médio.

Publicidade
Publicidade
Publicidade

O profissional da educação reconheceu também que era impossível trabalhar com 45 alunos em uma sala onde caberiam 30. O desabafo prosseguiu e Castilho falou sobre o desrespeito em sala de aula.

“Eu recebi muitas vezes o desrespeito dos alunos, a incompreensão, a falta de comprometimento, é uma constante no colégio público e no Raul Brasil não é diferente”, revelou Castilho, expondo a realidade de parte do ensino público no estado de São Paulo e no Brasil.

O professor disse ainda que hoje trabalha em escola particular e que muitos profissionais estão migrando dos colégios públicos para os particulares devido às melhores condições de trabalho e ao maior reconhecimento.

Publicidade
Publicidade
Publicidade
Diogo Marcondes

Escrito por Diogo Marcondes

Jornalista formado desde 2015. Jornalista por vocação desde que nasceu. Redator da i7 Network. Aqui escrevo sobre política, futebol, TV & famosos e qualquer outro assunto que esteja repercutindo no Brasil e no mundo.
Entre em contato comigo pelo @DiogoMarcondes no Twitter!