in

Massacre de Suzano: MP apura se assassinos foram motivados por organização na Deep Web

Reprodução/O Popular

Nesta última quarta-feira, 13 de março, o povo brasileiro foi surpreendido com mais uma terrível notícia. Dois jovens armados, um de 25 anos de idade e outro de 17, invadiram uma escola e vitimizaram sete pessoas com tiros e machadadas. Anteriormente, os assassinos já haviam feito uma vítima em uma loja de carros.

MP investiga organização na Deep Web

O Ministério Público de São Paulo está investigando a possibilidade de os assassinos terem sido incitados aos crimes na Deep Web. O chefe do MP, Gianpaolo Smanio, falou sobre o assunto com o site G1, confira!

“A gente tem notícia de que os assassinos se comunicavam pela deep web com outras pessoas. Isso portanto precisa ser investigado para se verificar se há uma organização criminosa atuando por trás da ação que cometeram”, declarou o chefe do MP ao site G1.

Assassinos pesquisaram por ataques em escolas americanas

Segundo os investigadores, os jovens se inspiraram em ataques cometidos nos Estados Unidos e estavam procurando por esses temas na parte mais obscura da internet: a Deep Web.

“A apuração sobre o que aconteceu em Suzano precisa ser a mais completa possível para se ter maior segurança e evitar que isso não se repita”, afirmou o procurador Smanio.

Cyber Gaeco em ação!

Para conseguir chegar aos resultados e concluir a investigação, o MP irá contar com o assessoramento do Cyber Gaeco, com o intuito de descobrir quem foram as pessoas que estiveram em contato com os assassinos.

“É nosso núcleo de crimes cibernéticos. É preciso fazer essa investigação para dar segurança as pessoas pois ainda não sabemos a motivação do crime e como eles tiveram acesso às armas, por exemplo”, disse o procurador geral.

Guilherme e Luiz, os criminosos autores desta tragédia, eram ex-estudantes da escola em que cometeram o crime e tinham um pacto para cometer suicídio após concluir o plano.

Leia Também

Next post

Jovens atiradores de escola em Suzano se organizaram no Facebook, revela investigação

Enterro de um dos atiradores de Suzano tem 4 pessoas e familiares com rostos cobertos