Mãe de Cazuza ameaça processar ministro da Educação

Leia também

Você consegue encontrar o gato nesta imagem? Apenas algumas pessoas conseguem

Esse desafio foi lançado recentemente e gerou muitos compartilhamentos na web.

Grazi Massafera mostra clique raro da filha com Caio Castro e diz: ‘Destruidores’

Grazi Massafera é mãe de Sofia, fruto de seu relacionamento com o ator Cauã Reymond.

Vidente Carlinhos faz nova previsão da pandemia e aterroriza: ‘é o fim do mundo anunciado’

Em nova previsão o vidente Carlinhos diz que a pandemia do novo coronavírus é o fim do mundo.

Após polêmico vídeo, Geisy Arruda ousa mais e surge tomando leite

Fantasiada de gata, Geisy Arruda divulgou foto tomando leite em sua rede social.
Nado News
Sou formado em Sistemas de Informação com pós-graduação em Gerenciamento de Projetos em T.I. Além de atuar como programador há 8 anos, trabalho também como redator há cerca de 3 anos, o que fez despertar uma nova paixão. Tanto que, atualmente, sou graduando em Letras - Português e Inglês. Escrevo sobre tudo o que envolve o mundo do entretenimento, além de falar sobre esportes e as principais notícias do dia a dia. Pode entrar em contato comigo através do e-mail nado_news@hotmail.com .
Publicidade

A mãe de Cazuza, Lucinha Araújo, divulgou uma carta aberta na qual diz que pode processar o ministro da Educação, Ricardo Vélez Rodríguez, por ele ter feito uma declaração sobre o seu filho. Inclusive a mensagem dela foi divulgada pelo jornal O Globo.

Tudo se deve a uma entrevista que o ministro concedeu para a revista Veja no início do mês de fevereiro. Ele citou a frase “liberdade é passar a mão no guarda” e atribuiu ela a Cazuza, afirmando que era ele quem dizia essa fala. Porém o cantor nunca teria dito isso em vida.

Publicidade

Na verdade se trata de uma brincadeira que foi criada pelo extinto programa humorístico da TV Globo, Casseta e Planeta, nos anos 80. O programa vendeu camisetas com essa frase e na versão original tinha o termo chulo relacionado à nádegas na descrição.

Publicidade

Se meu filho estivesse vivo, tenho certeza de que ele me pediria piedade”, escreveu Lucinha. Mas, como não sou ele, e minha idade suprimiu os panos quentes, considero inadmissível uma pessoa, ocupando o cargo que ocupa, não ter a preocupação de, sem compromissos com a verdade, citar uma pessoa pública”, afirmou Lucinha em parte de seu texto publicado.

Publicidade

Lucinha diz ainda no final da carta que dá a oportunidade de o ministro da Educação se retratar publicamente, caso contrário ela tomaria providências jurídicas que cabem na lei, ou seja ela deixa claro que abrirá um processo caso não seja atendido o seu pedido.

Desde a morte de Cazuza ela dedica todo o seu tempo disponível para o trabalho voluntário de dar o amparo e o apoio necessário para crianças, jovens e adultos soropositivos que precisam de toda ajuda possível.