in

Gestação rara de uma jovem desafia a medicina; confira

Reprodução / varzeagrande.mt.gov.br
Publicidade

Se você é mulher, muito provavelmente já pensou em ser mãe, certo? Grande parte das mulheres tem o sonho de engravidar. Amamentar, ver o filho crescer, se desenvolver, acompanhar os primeiros passos, ensiná-lo a falar as primeiras palavras, ainda que muitas vezes não tenham significado. Enfim, vivenciar o fato de ser mãe.

Esse sentimento é semeado, muitas vezes, ainda quando criança. Em aniversários, natais ou em qualquer outra data comemorativa, a menina quase sempre ganha uma boneca em forma de bebê que vem acompanhada de uma mamadeira e de fraldas. Tem aquelas mais tecnológicas que avisam quando estão com fome ou querem ir ao banheiro. Tudo isso influencia e prepara a criança para ter, no futuro, um bebê de verdade.

Embora seja algo cultural, um fato curioso pode ser notado. Casais dessa geração, comparados aos de duas ou três gerações atrás, estão decidindo ter cada vez menos filhos. Antes, era fácil ver uma família com 3, 4, 5 ou até mais crianças. Hoje, vemos outra realidade: somente 1 por casal e, quando muito, 2 filhos. E a tendência, ao que tudo indica, é seguir essa linha daqui para frente.

Publicidade

Mas as exceções sempre existem, como é o caso da argentina Pamela Vilarruel. Pamela é uma jovem de 17 anos, e o que chama a atenção é o fato de ela ter 7 filhos. Sim, 7 filhos aos 17 anos! Ela engravidou pela primeira vez quando tinha apenas seus 14 anos. 

Publicidade

O mais curioso é que, além do fato de ter tido um filho muito cedo, é o fato de que essa jovem argentina ter engravidado de seus outros 6 filhos em 2 gestações. Ou seja, Pamela teve trigêmeos em duas gestações consecutivas! Um fato muito raro na medicina.

Não há registros no mundo de nenhuma mulher que deu a luz a trigêmeos duas vezes consecutivamente sem tratamento para fertilização in vitro.”, afirma o Dr. Jose Alberto Oviedo, o médico que cuidou do caso. “Até onde sabemos não há nenhum caso de uma garota nesta idade com tantos filhos. As chances de ocorrência são mínimas.“, conclui o doutor.