in

No hospital, Bolsonaro leva mais uma ‘facada’ de políticos em suposto esquema de corrupção

Reprodução/Globo
Publicidade

Eduardo Bolsonaro (PSL-SP), deputado federal e filho do presidente da República, afirmou que o seu pai levou “mais uma facada“, por conta de acusações na internet e entre partidários do PSL. A situação está ligada a uma investigação do Jornal Folha de S. Paulo sobre o caso de uma campanha do partido que pode ter indícios de corrupção.

Publicidade

De acordo com o jornal, uma inexpressiva candidata do partido, em Pernambuco, recebeu uma quantia de R$ 400 mil para verba de campanha eleitoral. O valor foi a terceira maior fatia do dinheiro público destinado aos partidos políticos no ano passado.

Publicidade

A candidata, Maria de Lourdes Paixão, conseguiu apenas 247 votos; e o dinheiro chegou em sua conta quatro dias antes das eleições, de acordo com a Folha. 

O jornal afirma que a candidata e o partido não esclareceram o destino do dinheiro e os detalhes da campanha de Maria de Lourdes ainda são obscuros para a transparência pública. 

Publicidade

O presidente nacional do PSL, Luciano Bivar, concedeu um esclarecimento sobre a polêmica de grupos de WhatsApp, que culminou no envolvimento de seus correlegionários, como Jair Bolsonaro. 

A Folha esclareceu também que Bolsonaro chegou a receber a informação sobre o caso, ainda no hospital, mas preferiu não tomar decisões e se manifestar até a sua recuperação.

Saúde do presidente

Bolsonaro segue internado em um hospital particular de referência, em São Paulo. Após a facada que levou no ano passado, em campanha, o presidente precisou usar uma bolsa no intestino. Nesta passagem no hospital, algumas complicações estão adiando a alta de Bolsonaro, que está em observação após ter tido uma pneumonia.

Publicidade

Leia Também

Escrito por Tô passado News

Assuntos chocantes, novidades da televisão e famosos e política: tudo você encontro aqui.

Vacas estão usando o ‘Tinder’ para encontrar o parceiro ideal

Haddad compara Bolsonaro a Lula e é humilhado: ‘Fantoche de bandido’