Luto: jogador de futebol estava entre as vítimas da barragem e velório comove

Leia também

Atriz de Totalmente Demais faz relato de cortar o coração ao falar sobre abuso sofrido

Giovanna Rispoli falou sobre o abuso que sofreu e como fez para suportar tudo.

Pastor diz curar coronavírus com copo d’água milagroso, mas sofre castigo terrível

Há mais de uma semana o pastor R.R.Soares está anunciando que fiéis de sua igreja estão se curando de Covid-19 com água.

Mortos por Covid-19 passam de 20 mil e Bolsonaro dá outra bola fora

Presidente da República comentou coronavírus em live em sua conta oficial no Facebook.

Urgente: avião com 107 pessoas cai em cima de casas; equipes fazem socorro

Informações iniciais indicam que ele transportava 99 passageiros e 8 tripulantes; não há informações sobre mortos e feridos.
Rômulo NC
Ator, youtuber e redator, Rômulo N.C é formado pela casa de artes cênicas Recriarte e sempre atuou como escritor de diversos sites.
Publicidade

O campo de futebol da cidade de Brumadinho também foi um dos locais atingidos pelo rompimento da barragem no último dia 25 de janeiro.

O Canto do Rio Futebol Clube, um dos principais times de futebol amador da cidade, perdeu o seu atacante Marlon Gonçalves, em meio a tragédia provocada pelo rompimento.

Publicidade
Publicidade

Além dele, o volante do time Max Elias de Medeiros, também está desaparecido. Ambos eram funcionários da Vale e desapareceram logo após o rompimento da barragem 1 da Mina do Feijão. Neste sábado (02), o velório do funcionário e jogador de futebol amador levou dezenas de pessoas até o local de seu enterro.

Publicidade

Além de atacante, Marlon também era diretor do clube de futebol e, teve seu caixão carregando junto com sua camisa em cima dele. João Victor de Souza Carlo, que desde os dez anos participava ao lado do amigo das partidas falou sobre o tempo divido entre a empresa e a paixão pelo futebol. “Ele (Marlon) trabalhava na área administrativa da Vale, mas todas as sextas jogava futebol conosco, nossa pelada semanal no campo que fica próximo ao rio”.

Publicidade


Segundo alguns colegas, Marlon não jogava mais no time por conta de um problema na perna, mas toda sexta-feira batia uma bolinha com os próprios amigos do clube, na posição de atacante. Gabriel Bismark Ferreira trouxe o filho de 3 anos do amigo para se despedir do pai.

Ambos vestiam a camisa do time que o atacante administrava. O clube de Marlon é rival de outro grande clube da cidade, Brumadinho. Segundo Gabriel, o amigo era uma pessoa de bem com a vida e, tinha um jeito especial de comemorar seus gols.