Homem é preso após matar travesti e guardar coração em casa: “era um demônio”

Leia também

Terrível destino de Ana Maria Braga na Globo estaria sacramentado; apresentadora desabafa

Ana Maria Braga nega que vá sair do ar, mesmo já estando por conta do coronavírus.

Celebridades que já abriram o coração e falaram sobre a doença dos filhos

Conheça alguns famosos que já abriram o coração e falaram sobre como é a luta com os filhos.

Live de Marília Mendonça fez até os famosos ‘arrastarem o chifre no asfalto’

Marília Mendonça fez uma live em seu perfil que foi um sucesso de público online.

Seguidora elogia Gusttavo Lima e esposa do cantor dá resposta na lata

Gusttavo Lima foi elogiado por uma internauta e Andressa Suita deu resposta à altura.
Raphael Costa
Aqui você encontrará as melhores notícias.
Publicidade

Um caso inusitado aconteceu em Campinas (SP). Caio Santos de Oliveira, de 20 anos, foi preso nesta segunda (21), suspeito de matar a travesti Genilson José da Silva de 35 anos e guardar o coração da vítima no guarda-roupas da sua casa.

O jovem confessou o crime e disse que manteve relações com a vítima antes de tudo acontecer. Ele ainda teria levado vários pertences da vítima e também R$ 250 em dinheiro. Caio foi levado para a delegacia e apresentado com declarações muito desconexas. “Ele era um demônio, eu arranquei o coração dele, é isso”, afirmou ao ser questionado se conhecia a vítima.

Publicidade

Segundo os policiais do Batalhão de Ações Especiais (BAEP), enquanto estavam fazendo ronda nas proximidades avistaram Caio em uma atitude muita suspeita. O que chamou a atenção foi o fato do homem estar com o corpo cheio de arranhões de uma provável luta corporal e um ferimento na cabeça.

Publicidade

Após a abordagem o rapaz confessou o crime e levou as autoridades em sua casa onde estava o corpo da travesti. Em entrevista, Caio disse que conheceu Genilson na noite do último domingo (20), no Bar da Mãe, próximo ao local do crime. Caio estava desempregado e não tinha antecedentes criminais.  

Publicidade

O caso foi registrado na Segunda Seccional de Campinas.