in

Humilhada pela Globo, Izabella Camargo recomeça vida no governo Bolsonaro: ‘Linda missão’

Reprodução / TV Globo / Instagram Izabella Camargo
Publicidade

O ano de 2019 será de recomeço para a jornalista Izabella Camargo. Em 2018, ela ficou afastada da Globo por alguns meses, pra tratar de uma doença chamada Síndrome de Burnout – distúrbio psíquico que precede esgotamento mental e físico.

Publicidade

Quando retornou, em novembro, ela foi demitida pela emissora onde trabalhava havia seis anos. A demissão aconteceu logo depois de ela admitir publicamente que sofria desta doença. Izabella se sentiu humilhada e acha que foi punida por ter ficado doente. “Quando voltei, fiquei confusa, ainda não sei a razão da demissão”

Publicidade

Na virada do ano, Izabella Camargo recebeu um convite para integrar o governo do presidente Jair Bolsonaro e aceitou. Ela vai atuar ao lado do astronauta Marcos Pontes no Ministério da Ciência, Tecnologia, Inovação e Comunicação.

No dia 2 de janeiro, Marcos Pontes foi empossado e Izabella Camargo participou da cerimônia. A jornalista, que passou por SBT e Band, antes de chegar a Globo, comentou sobre o novo rumo de sua carreira profissional.

Publicidade

“Foi um privilégio participar da cerimônia de posse do Ministro Marcos Pontes no Ministério da Ciência, Tecnologia, Inovações e Comunicações. Em breve volto para Brasília e assim começarei a trabalhar com a comunicação dos projetos do MCTIC. Marcos Pontes e equipe, gratidão pelo apoio e confiança. Temos uma linda missão pela frente“, comentou. Ela vai atuar no setor de comunicação do ministério.

Logo depois, ela embarcou para Natal, onde curtiu dias de férias antes de assumir o cargo no novo governo. Ao UOL, ela comentou sobre a doença e afirmou que não desejava a ninguém que sentisse o que ela ainda sente por conta do problema de saúde.

Publicidade

Leia Também

Escrito por Diogo Marcondes

Jornalista formado desde 2015. Jornalista por vocação desde que nasceu. Redator do i7 Network.

Diego ignora proposta galáctica para continuar no Flamengo em 2019

Líder da Bolívia quer ‘atacar’ o Brasil e faz ameaças, alegando: ‘Racismo de Estado’