Maisa protesta contra ministra de Bolsonaro, não usa rosa, mas passado vem à tona; assista

Leia também

Atriz Fernanda de Freitas se defende após ser acusada de roubar farmácia: ‘Não sou bandido’

Famosa usou as redes sociais para relatar o caso e pediu por justiça após constrangimento.

Bebê nasce com duas bocas e precisa ser submetido a cirurgia bastante delicada

O problema foi detectado durante os exames pré-natais e felizmente tudo deu certo.

MIS-C: síndrome inflamatória da Covid-19 que causa complicações em crianças

A complicação rara era tida como Doença de Kawasaki está sendo melhor compreendida pelos médicos.

Gabriel Diniz: um ano após morte do cantor, mistério ainda não foi resolvido pela PF

Polícia Federal ainda não concluiu o inquérito que apura as circunstâncias do acidente que matou Gabriel Diniz.
Diogo Marcondes
Jornalista formado desde 2015. Jornalista por vocação desde que nasceu. Redator do i7 Network.
Publicidade

A ministra Damares Alves, da pasta da Mulher, Família e Direitos Humanos, causou polêmica ao dizer que meninos vestem azul e meninas vestem rosa. O vídeo em que a ministra diz que começou uma nova era viralizou nas redes sociais, e ela foi bastante criticada por alguns segmentos da sociedade.

Damares se defendeu, dizendo que sua frase era uma metáfora. Ela estava falando que é contra a ideologia de gênero e não que, obrigatoriamente, uma criança deve usar azul ou rosa.

Publicidade
Publicidade

Entre as críticas que recebeu, muitos vieram do mundo artístico. O ator Bruno Gagliasso e os apresentadores Luciano Huck e Angélica criticaram Damares. A atriz Maisa foi uma das que levaram a fala de ao pé da letra: “Mano… Quando eu era criança e comecei a escolher minhas roupas eu escolhia tudo menos rosa porque não gostava”, escreveu Maisa no Twitter, criticando a ministra do presidente Jair Bolsonaro.

Publicidade

O que Maisa não esperava é que internautas fossem desenterrar um vídeo antigo em que ela aparece apresentando o Bom Dia & Cia, no SBT. No vídeo, uma criança chamada João Pedro participa por telefone.

Publicidade

Maisa atende e diz que ele tem que escolher entre três bexigas. O menino de sete anos escolhe rosa ao invés de azul e amarela. “Rosa, João? Nossa, João, é rosa mesmo?”, questiona Maisa. O garoto se mantém firme na cor rosa.

Tá bom, querido”, diz Maisa, ainda sem acreditar que o menino optou pelo balão rosa. O vídeo foi repostado no Facebook nesta sexta-feira (4), pela página do canal Hpócritas. “A diferença da inocência de uma criança, para a hiprocrisia de uma pré-aborrecente”, comentou um seguidor.