in

Bebê morre após passar duas semanas com a mesma fralda

bebemamae
Publicidade

Ser mãe não é uma tarefa muito fácil, mas sem dúvida é um sonho realizado para a maioria das mulheres que se dispõem a entrar nessa jornada. Apesar de ser considerado algo realmente maravilhoso, os primeiros meses de vida da criança são bem cansativos para a nova mamãe. Afinal de contas, o bebê está em uma fase de adaptação e costuma trocar o dia pela noite, além de ter muitas cólicas. 

A morte de um bebê de apenas quatro meses de idade vem causando grande comoção, principalmente pela maneira chocante como tudo aconteceu. O pequeno Sterling Koehn acabou morrendo depois de ter passado 14 dias com a mesma fralda. O corpinho da criança foi achado sem vida em uma cadeirinha de balanço. Ele estava no apartamento de seus pais, Cheyanne Harris e Zachary Paul Koehn.

O pai do garoto está sendo julgado pelo assassinato. O triste fato aconteceu em Iowa, nos Estados Unidos. A mãe também passará por julgamento pelo mesmo crime. Detalhes que levaram a morte do bebê foram reveladas durante o julgamento.

Publicidade

Segundo informações do jornal Daily Mail, Coleman McAllister, assistente do procurador, contou que o menino morreu por causa de uma fortíssima assadura. Ele disse que a fralda que estava cheia de fezes atraiu insetos que acabaram depositando larvas no local. O pequeno teve uma assadura grave e contraiu a bactéria eColi. “Ele morreu de assadura! Isso mesmo, assadura!, frisou o assistente da procuradoria.

Publicidade

Além disso, o bebê apresentava um quadro de desnutrição. Além do bebê de quatro meses, o casal também tem uma filha de dois anos, porém a garotinha não tinha nenhum problema e estava saudável. A criança foi localizada depois que o pai ligou para a emergência contando que o filho tinha morrido.

Durante o julgamento, ao relatar as condições que encontrou a criança, o socorrista ficou emocionado. Toni Friendrich disse que o quarto onde o bebê estava era totalmente escuro e sem ventilação. As roupas estavam pegajosas e com crostas de sujeira. O socorrista disse que quando tirou o lençol que cobria o pequeno, moscas voaram em sua direção.

O médico que realizou a autopsia constatou que a criança não teve a higiene básica realizada por mais de nove dias e sequer havia sido tirado da cadeira nesse período. Ainda de acordo com o profissional, os pais cometeram assassinato já que não realizaram os cuidados básicos para manter a saúde da criança.

Um amigo do casal afirmou durante o julgamento que eles são usuários de drogas.

Publicidade
Shyrlene Souza

Escrito por Shyrlene Souza

Redatora na web desde 2016, formada em ciências contábeis, apaixonada pela redação desde criança. Escrevo sobre assuntos diversos, famosos, maternidade e notícias que se destacam no Brasil e no mundo.