in

PF investiga depósitos em espécie para homem que esfaqueou Bolsonaro

Montagem / Diogo Marcondes
Publicidade

Quase 20 dias após o atentado sofrido pelo candidato à Presidência da República Jair Bolsonaro (PSL), o agressor Adélio Bispo de Oliveira continua em alta nos noticiários.

De acordo com a revista Crusoé, o homem que deu uma facada no abdômen de Jair Bolsonaro teria recebido, com alguma frequência, transferências de valores a também depósitos em espécie. Os valores são mantidos em segredo, de acordo com a publicação.

Segundo a revista, a Polícia Federal investiga quem teria feito as transferências para a conta de Adélio Bispo. O homem está preso desde o dia 6 de setembro, quando esfaqueou Bolsonaro.

Publicidade
Publicidade
Publicidade

O presidenciável fazia campanha na cidade de Juiz de Fora, em Minas Gerais, na véspera do feriado do 7 de Setembro. Adélio se envolveu na multidão que acompanha Bolsonaro e, em determinado momento, sacou uma faca e aplicou um golpe no candidato.

Adélio foi preso em flagrante e temeu ser espancado pelos eleitores de Bolsonaro. O homem está em poder da Polícia Federal, que segue investigando todo o caso.

Bolsonaro foi socorrido na Santa Casa da cidade mineira, onde passou por cirurgia delicada que impediu sua morte. No dia seguinte, foi transferido para o Hospital Albert Einstein, em São Paulo.

Desde então, o candidato do PSL passou por outros procedimentos e segue internado, ainda sem previsão de receber alta médica. Neste período, sua campanha continuou com a ajuda de seus eleitores em todo o Brasil.

Bolsonaro lidera a corrida presidencial, segundo todos os institutos de pesquisas que fizeram levantamentos na última semana.

Publicidade
Publicidade
Publicidade
Diogo Marcondes

Escrito por Diogo Marcondes

Jornalista formado desde 2015. Jornalista por vocação desde que nasceu. Redator da i7 Network. Aqui escrevo sobre política, futebol, TV & famosos e qualquer outro assunto que esteja repercutindo no Brasil e no mundo.
Entre em contato comigo pelo @DiogoMarcondes no Twitter!