in

Saiba mais sobre a doença das meninas-bonecas

Publicidade

Essas meninas se parecem com bonecas devido ao seu tamanho, elas não crescem, tem muita sensibilidade e sofrem de uma doença que é pouco conhecida em boa parte do mundo, o nanismo primordial.

As crianças do sexo feminino que sofrem dessa anomalia são tão pequenas que mais parecem irreais, como um bem detalhado brinquedo de tão pequena e de aparência tão frágil. Por detrás de rostinhos tão pequeninos e doces, estão pessoas que jamais vão cresce, não importando qual fase de suas vidas sejam essas.

Segundo os especialistas, há apenas 100 meninas no mundo que são afetadas por essa anomalia. Diferentemente dos casos mais conhecidos de nanismo, o que elas têm não se trata de uma herança genética.

Publicidade
Publicidade
Publicidade

O nanismo promordial é na verdade uma insuficiência que acomete a glândula pituitária, que é responsável por produzir o hormônio que faz as pessoas crescer. Até agora não há nenhum tratamento para isso, nem tão pouco algum tipo de reposição hormonal, que é comumente usado para ajudar no crescimento são eficientes para esse tipo de nanismo.

Elas têm um pequeno crescimento em seu corpo, como cabeça, tronco, membros e órgãos, porém nenhuma delas vão ter mais de um metro de altura em sua vida adulta. Quando nascem elas não metem mais de 20 centímetros e pesam cerca de 1 kg. Comparando com um bebê comum, esses nascem com 50 cm e pesam em média 3 kg.

Uma dessas meninas é Kristin Riley, que tem 33 anos e mede 91 centímetros. Ela é uma das pessoas mais velhas acometidas por essa doença de que se tem notícia. Seus pais disseram que ela começou a ter dificuldades após os 3 anos de idade.

Publicidade
Publicidade