in

Prefeito idoso ‘canta’ funcionária, dá cargo em troca de encontro e castigo chega

O Ministério Público denunciou à Justiça o prefeito do município de Não-Me-Toque, no norte do Rio Grande do Sul, por quatro crimes: importunação ofensiva, contravenção penal de perturbação do sossego, abuso de autoridade e assédio sexual.

O procurador responsável por apresentar a denúncia pediu ainda o afastamento de Armando Carlos Roos (PP) pelos mesmos crimes, que estão sendo investigados pela 4ª Câmara Criminal do Tribunal de Justiça.

Aos 74 anos, o prefeito virou alvo de investigação na Delegacia de Polícia pela primeira vez no segundo semestre ano passado. A primeira denúncia partiu de uma servidora municipal que afirmou ter tido o cargo rebaixado depois de não sucumbir à “cantadas” do prefeito. As falas de Roos tinha conotação sexual.

O inquérito foi aberto pela Polícia Civil e encaminhado ao Tribunal de Justiça e ao Ministério Público. Meses depois dessa primeira denúncia, o prefeito foi novamente acusado de assédio.

Uma mulher contratada para cargo de confiança divulgou vídeo em que o prefeito aparecia prometendo contratá-la em troca de um encontro. Além do vídeo, outra prova utilizada foram conversas via WhatsApp entre o prefeito e a funcionária. O vídeo e a conversa serviram como prova para abertura do inquérito.

Desde o início das investigações, quatro mulheres registraram queixas por assédio sexual e abuso de autoridade contra Ross, segundo informações divulgadas pelo delegado da cidade, Gerri Adriani Mendes.

O prefeito também teve ajuizada contra ele uma ação civil pública por atos de improbidade administrativa. A Câmara de Vereadores da cidade instaurou, em maio, Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) para apurar os atos de Ross.

Leia Também

Mulher ‘tomada pelo Espírito’ em avião teria livrado passageiros de acidente fatal

Venenosa, Fabíola Reipert detona funkeira: ‘cantora de uma música só’