in

Mãe policial mata filho de 3 anos, se suicida e carta de despedida diz algo assustador

Publicidade

Um caso muito triste foi noticiado pelo site Taboranews. Uma profissional exemplar. É assim que a investigadora Dolores Mileide de Souza de 35 anos é definida pelos colegas de profissão da Polícia Civil de Apucarana, onde trabalhava desde 2014. Na noite desta sexta-feira (7), os corpos dela e de seu filho de 4 anos foram encontrados pelo irmão da policial, que entrou pela janela casa onde ela morava no condomínio Residencial Vista Alegre em Cambé. A família estava preocupada, já que no dia anterior ela não deixou o filho na casa da mãe para ir trabalhar, como costumava fazer.

Mãe alega que pai era estuprador e que, por isso, matou filho

De acordo com a Polícia Cilvil, tudo indica que a investigadora utilizou a arma funcional para atirar na criança e, em seguida, se suicidou. Ambos os disparos foram na região da cabeça. Em uma carta deixada no local do crime, ela afirmou que amava o filho e acusou o pai da criança de ter abusado sexualmente do menino.

O suposto abuso teria sido descoberto pela mãe após o término do relacionamento. Segundo o delegado Roberto Fernandes de Lima, Mileide procurou a delegacia de Cambé e a Polícia Civil abriu um inquérito, que corre em segredo de Justiça. O homem aguarda o fim das investigações em liberdade. 

Publicidade
Publicidade
Publicidade

O pai ficou afastado do filho até a última quarta-feira, quando obteve o direito de fazer três visitas assistidas à criança. Na carta, Mileide também demonstrou indignação com a decisão judicial.

“É triste. Abala a gente. Não é fácil. Ela nunca faltou ao serviço, procurava desempenhar bem o seu papel e de repente acontece uma situação dessas”, lamentou o delegado de Cambé. Segundo ele, Mileide não dava sinais de problemas psicológicos.

O delegado acredita que as mortes tenham ocorrido no final da tarde de quinta-feira. Os tiros provavelmente foram disparados em um horário em que os vizinhos estavam trabalhando, já que ninguém relatou ter ouvido barulho de disparos de arma de fogo.

Antes de concluir as investigações, os policiais precisam aguardar o laudo da balística e descartar a hipótese de que Mileide tenha sido induzida por terceiros a cometer o crime. 

Os velórios são realizados na Capela Central de Rolândia e os sepultamentos estão marcados para as 17h30 deste sábado. 

Publicidade
Publicidade