in

Arboleda não se considera titular no esquema de Aguirre e exalta companheiros de zaga

Publicidade

Quando assumiu o comando São Paulo, o técnico uruguaio Diego Aguirre se propôs a ajustar o time que estava totalmente sem padrão de jogo e vinha de uma situação bastante complicada no Paulistão. Aguirre conseguiu? Podemos dizer que sim, ele conseguiu ajustar a defesta do tricolor e implementou um sistema de rodízio que não comprometeu a qualidade do elenco.

Depois de meses trabalhando com o tricolor, é possível falar que o método usado por Diego Aguirre funciona. E não é só a imprensa que enxerga isso, o zagueiro Arboleda também vê o rodízio como um fator determinante para o sucesso do grupo e o terceiro lugar no Brasileirão, atrás apenas de Flamengo e Atlético-MG.

O São Paulo possui quatro ótimas opções para o setor e é natural que o treinador queira dar minutos para todos. Acho até algo positivo esse rodízio, porque motiva e deixa todos com a ideia de que a qualquer momento pode entrar. Por isso, tem que se dedicar sempre, trabalhar forte no dia a dia, porque o treinador pode precisar de você a qualquer momento e ninguém tem lugar garantido”, avaliou Arboleta.

Publicidade
Publicidade
Publicidade

O zagueiro equatoriano chegou no CT da Barra Funda em 2017 e não chegou com muita moral. Existia uma desconfiança que em pouco tempo foi quebrada com a boa atuação do jogador. Ele saiu de reserva a titular e conseguiu se tornar uma das peças mais importantes da zaga, mesmo no esquema de rodízio de Aguirre.

"A única coisa que faço é trabalhar forte todos os dias. Não me considero titular, mas um jogador do elenco, um trabalhador, que tenta mostrar seu valor e aproveitar as oportunidades. Sei que temo que fazer tudo pelo bem do time, pelos companheiros e pelo São Paulo merece", disse.

Mas a opinião dele em relação a titularidade pode ser errada. Levando em consideração os treino feitos durante a parada para a Copa, tudo indica que Arboleta será o homem de confiança de Aguirre ao lado de Anderson Martins, deixando Bruno Alves e Rodrigo Caio, ainda lesionado, como opções. Sobre os companheiros, ele é enfático e diz que acredita muito em cada jogador da zaga do São Paulo.

Publicidade
Publicidade